A fidelidade é o segredo para reinarmos com Cristo.

II Timóteo 2: 12
Se sofrermos, também com Ele reinaremos; se o negarmos, também Ele nos negará”.

A negação de Cristo a qual Paulo adverte Timóteo, não se aplica aos momentos de fraqueza espiritual do crente, como no caso de Pedro. Essa negação da qual Paulo se refere, aponta para uma atitude permanente e definitiva, algo como a apostasia. Os que negam a Cristo de acordo com essas características demonstram claramente que, de fato, nunca pertenceram a Ele e, a consequência desta atitude é, infalivelmente, serem negados por Ele.

Em alguns momentos nosso discurso parece enfadar as pessoas pelo fato de sermos repetitivos. Ficamos “batendo” na mesma tecla incessantemente; falando a mesma coisa sempre. Ora, como estaria o rebanho de Cristo – a igreja, se não fôssemos insistentes na transmissão das doutrinas bíblicas, pois, se repetindo o mesmo discurso constantemente não vemos, salvo raras exceções, mudança de comportamento nas pessoas, imaginem se ficássemos de boca fechada.
A unção no Antigo Testamento era um ato cerimonial levado muito a sério. Tanto quem ungia como quem recebia a unção tinham consciência plena deste singelo, mas importantíssimo ato. Davi, ainda que não tivesse plena consciência da finalidade da unção que recebeu de Samuel, firmou-se cada vez mais na fé em YHWH. Exilado por causa da perseguição de Saul e, habitando em uma caverna sem nenhum conforto, ainda assim, Davi não chutou o “pau da barraca”. Davi creu que a unção recebida era um propósito Deus e, que no tempo exato, o Senhor lhe manifestaria qual era esse propósito, por isso, em momento algum, mesmo no seu período na caverna de Adulão, ele negou, desprezou ou negligenciou a unção.

Então, se o “negar” a Cristo, do qual Paulo se refere, não aponta para uma atitude como a de Pedro, o que é? Bom, embora isso não seja uma conclusão taxativa, podemos ver nesse comportamento (o de negar a Cristo) como a atitude de um apóstata. Por quê? Por que a Bíblia é enfática numa coisa – em toda e qualquer situação na vida do crente, este só tem duas opções – “Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não ajunta, espalha”. Como se pode ver não há um meio termo, não existe uma terceira opção. Desta forma, se não estou sendo fiel ao meu Senhor, não existe a mínima possibilidade de estar neutro nisso, se não estou sendo fiel quer dizer que sou infiel. Se não estamos guardando as palavras de salvação em nosso coração, isso só pode significar que nos apostatamos.

A Bíblia adverte fortemente quanto à possibilidade da apostasia, visando tanto nos alertar do perigo fatal de abandonar nossa união com Cristo, como para nos motivar a perseverar na fé e na obediência. A razão de tantas advertências bíblicas sobre a possibilidade de incorrermos na apostasia, deve ser visto por nós como um alerta deste perigo real e iminente. Não são poucas situações que podem nos levar a apostasia e, se não estivermos firmes e convictos naquilo em que cremos, assim como Davi estava, indiscutivelmente, não chegaremos ao nosso destino final – o Céu.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal – A Apostasia Pessoal

Compartilhar

2 thoughts on “A fidelidade é o segredo para reinarmos com Cristo.

  • 20 de novembro de 2019 em 08:12
    Permalink

    Bom. Dia graça e paz .
    Gostaria de saber se ao cometer mos pecados , como saberemos que fomos perdoa por Cristo Jesus.

    Resposta
    • 20 de novembro de 2019 em 08:18
      Permalink

      Graça e Paz meu querido irmão.
      A resposta que tenho para você é a mais simples possível. Saberemos da mesma forma como sabemos que fomos perdoados quando aceitamos Jesus como nosso Salvador e Senhor – com a gloriosa presença do Espírito Santo de Deus junto a nós.

      Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.