O cristão deve adorar a Deus com todo o seu ser.

Marcos 12: 30-31
 “Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes”.

No artigo anterior, começamos a falar sobre o comportamento de Davi diante do Deus que o chamou e ungiu como rei sobre Israel. A devoção de Davi era em razão da benignidade de Deus para com ele. E, não pelo fato de tê-lo feito rei. Davi não se sentiu constrangido a ser obediente a Deus pelo fato de ter sido escolhido entre tantos outros; não foi por que Deus o “exaltou” diante dos homens, mas foi, tão somente, pelo amor com que Deus o amava, sem que nele houvesse mérito para isso.

Quando de fato amamos a Deus, todas as nossas intenções devem estar voltadas para um único objetivo – obedecer a Deus. Não há maior evidencia de amor, senão quando vivemos em obediência. É isso que Deus requer de nós, é isso que O agrada.

O diabo nunca vai desistir de arruinar o laço de comunhão amistosa e pacífica que há entre o homem e Deus. Todo aquele que aceita a Cristo como único e suficiente salvador e Senhor, torna-se amigo de Deus e, para o diabo isso é inadmissível, pois se Deus não perdoou nem a ele nem os seus seguidores, por que perdoaria o homem? E, por causa desta dúvida que o diabo lança no coração do pecador, muitos se enveredam pelos caminhos de onde foram tirados um dia, ou seja, se desviam dos caminhos do Senhor.

Davi cometeu dois pecados, ou melhor dizendo, em duas situações pecou gravemente contra Deus – fez o censo do povo e adulterou (o assassinato de Urias foi consequência do adultério – pecados atraídos por pecados). Em ambas as situações, Davi apelou pela misericórdia de Deus e em ambas foi perdoado, no entanto, o diabo atormentou a vida de Davi insinuando que Deus não tinha perdoado de fato. O Salmo 51 é a confissão de Davi sobre seu pecado e, para calar definitivamente a boca do acusador, Davi declara neste salmo que, se no fim de tudo o Senhor não o quiser salvar, estará sendo justo, mas só o fato de ser um instrumento nas mãos de Deus para alcançar outras almas, para Davi já era o suficiente. Essa é uma grande declaração de amor a Deus.

A misericórdia e a graça de Deus na pessoa de Jesus Cristo, são as maiores evidências de amor de Deus pelo homem, porém, elas não cartas brancas que incentivam o pecador a permanecer no pecado. Ao pecador que é alcançado por esse amor de Deus, deve sentir-se constrangido a retribuir esse sentimento, amando o Senhor Deus com a plenitude do seu ser.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Erivelton

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.