O servo de Deus deve ser irrepreensível.

I Timóteo 3: 2
 “Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar”.

As qualificações exigidas na Palavra de Deus para aqueles que aspiram algum ministério na igreja, estarão sempre em vigência, independente do tempo em que se consagre ou se ordene alguém para o santo ministério eclesiástico. Vale ressaltar que, ainda que estas qualificações não estejam na totalidade evidenciada na vida do obreiro, isso não é impedimento para a consagração, pois, naquilo em que está falhando, o obreiro deverá se aperfeiçoar. Porém, antes de verificar se o obreiro está qualificado para a consagração, o essencial é fazer com o obreiro entenda que ele está sendo consagrado para um serviço a Deus.

Davi foi um bom rei, ele governou o povo de Deus com sabedoria; ele foi um bom companheiro, zelou para que ninguém ficasse excluído socialmente; Davi foi um bom amigo (com exceção a Urias), ele sempre valorizou um relacionamento firme e sincero; excluindo as ocasiões em que pecou, Davi sempre se esforçou para ser um servo obediente a Deus; como rei, Davi conduziu Israel, sempre sob a direção de Deus, a inúmeras vitórias sobre os inimigos e ampliou significativamente o território da nação.

Se transportássemos Davi para os dias atuais, antes de conhecermos toda a sua história, isto é, sendo ele ainda um simples pastor de ovelhas, numa análise superficial da sua vida, ele estava devidamente qualificado para exercer um ministério. O que Paulo escreveu ao pastor Timóteo como sendo as qualificações exigidas aos que aspiram um ministério na igreja, se encaixariam com o perfil do pastor de ovelhas, Davi. Antes de ser ungido, Davi era um homem irrepreensível, ou seja, não havia nele qualquer “ponta” que o diabo pudesse usar para investir contra a sua vida.

Geralmente, quando se refere a Davi como sendo um homem segundo o coração de Deus, somos inclinados a pensar que ele foi por toda a sua vida uma pessoa íntegra, fiel e que nunca tenha pecado, porém, a um exame superficial na narrativa de sua história, verificamos que após o pecado de adultério, desencadeou-se na vida deste homem uma avalanche de dissabores envolvendo seus filhos.

É interessante como Paulo começa o texto do versículo – “convém”. Isso quer dizer que o “bispo”, ainda que não cumpra com todas as exigências, ele não está impedido de exercer seu ministério, todavia, ele deve estar ciente de que o sucesso do ministério dependerá, no decorrer do exercício ministerial, da enfática observação destas qualificações.

Davi começou bem, falhou no percurso, mas terminou bem o seu “ministério”. Em nenhum momento vemos, nas Escrituras Sagradas, Davi murmurar ou reclamar da sorte de sua família. Ele tinha noção de que tudo aquilo tinha origem no seu pecado.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.