Os pais não podem provocar seus filhos.

Efésios 6: 4
 “E vós, pais, não provoqueis a ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor”.

Vivemos tempos em que os avanços tecnológicos estão a cada dia superando seus limites. Muitas coisas que nos encantavam quando crianças e adolescentes, hoje já estão mais que ultrapassadas, viraram quinquilharia. Lembro-me de filmes de ficção que assistíamos, isso nas décadas de 70 e 80, onde era mostrado uma pessoa conversando com a outra num aparelho sem fio e, o mais impressionante para aquele tempo, as pessoas viam-se mutuamente. Imaginávamos, naquele tempo, que aquelas coisas jamais sairiam da ficção.

O ser humano hoje vive com mais facilidade do que a 30 ou 40 anos atrás. A tecnologia tem tornado a vida de muitas pessoas mais segura, contudo, a tecnologia não pode promover a paz interior; a tecnologia tem promovido a sociabilização das pessoas, porém, a tecnologia não pode preencher o vazio da solidão; a tecnologia tem despertado nas pessoas vários sentimentos, contudo, infelizmente a tecnologia não proporciona a prática destes sentimentos. Ainda que se criem os mais belos e incentivadores “emojis”, virtualmente não tem como dar um forte aperto de mãos e um caloroso abraço. A tecnologia é excelente, mas é limitada.

Nenhuma tecnologia, por mais avançada que seja, não pode e não deve substituir o dever e a responsabilidade dos pais em educar seus filhos. Não podemos nos eximir desta responsabilidade alegando falta de tempo. Temos que “fazer” tempo para que nossos filhos sejam educados conforme as doutrinas da Palavra de Deus.

Não provocar a ira a nossos filhos é agir com autoridade sem ser autoritário. Quando não se tem autoridade com os filhos, tende-se a resolver as coisas com o autoritarismo; no grito; na marra, é o manda quem pode e obedece quem tem juízo no sentido pejorativo. Quando os pais tem autoridade diante dos filhos não há nenhuma necessidade de usar o autoritarismo.

Não provocar a ira a nossos filhos é trata-los com respeito e exigir deles o devido respeito também. Tratar com respeito, além de outras coisas, significa também, não alterar o processo natural de desenvolvimento do filho. Ou seja, não devemos adiantar o estado de amadurecimento de nossos filhos, sendo mais claro, o que estamos dizendo é que cada fase da vida de uma criança em desenvolvimento deve ser vivida respeitando-se as atitudes e comportamentos inerentes à fase em que está.

Os pais provocam e desanimam os filhos quando dizem uma coisa e fazem outra, sempre criticando e nunca elogiando, sendo incoerentes e injustos na disciplina, mostrando favoritismo dentro de casa, fazendo promessas e não cumprindo, deixando de levar a sério problemas extremamente importantes para os filhos. Os pais cristãos precisam da plenitude do Espírito para se mostrarem sensíveis às necessidades e aos problemas dos filhos.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Comentário Bíblico Expositivo do Novo Testamento – W. W. Wiersbe

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.