A criação do primeiro homem.

Gênesis 2: 7
 “E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra e soprou em seus narizes o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente”.

A doutrina concernente à criação é de certa forma, ensinada equivocadamente em algumas igrejas e, em outras igrejas nem são ensinadas. Não é que esteja sendo ensinada de forma errada ou contrária ao que a Bíblia diz, mas, em alguns lugares, associaram, ao relato bíblico, a fantasiosa imaginação humana. Associaram a lógica humana aonde só é possível o poder de Deus.

Quando falamos que Deus criou todas as coisas do “nada”, devemos esclarecer, e digo que isso deve ser com muita ênfase, que essa criação se aplica à matéria, isto é, a matéria que nunca havia existido, pela livre e soberana vontade do Senhor, veio a existir – o que não era, passou a ser. É isso que aprendemos com o conceito teísta da criação e, que faz ferrenha oposição aos conceitos platonistas, ateístas e panteístas e, dentro deste conceito teísta, a palavra criação está diretamente relacionada a três grandes eventos narrados em Gênesis – a criação da matéria, a criação dos seres vivos e a criação do homem.

No tocante a criação do homem, este não foi criado do nada, mas, como está relatado na Bíblia, ele foi formado do pó da terra. Entendendo melhor o que dissemos anteriormente, nosso Deus criou a matéria do nada – o universo com todos os elementos químicos, e posteriormente, desta matéria que Ele criou, foi formado o ser humano, bem como os animais de todas as espécies – “Produza a terra alma vivente conforme a sua espécie; gado, e répteis, e bestas-feras da terra conforme a sua espécie. E assim foi”.

A Igreja primitiva entendeu e ensinou que o verbo criar apontava para um sentido estrito de “produzir do nada alguma coisa”. Deve-se notar que nem sempre a Escritura Sagrada usa a palavra hebraica bara’ e o termo grego ktizein no sentido absoluto de sua transliteração. Também emprega esses termos para denotar uma criação secundária, na qual Deus fez uso de material já existente, mas que, por si mesmo, a matéria já existente não podia causar ou produzir o resultado que nosso Deus desejava.

Fato notável no surgimento da raça humana é que a criação do homem foi precedida por um concílio divino. Antes de registrar a criação do homem, o próprio Senhor quer que entendamos, por Sua palavra, como está registrado em Gênesis 1:26, que a obra que estava por realizar, não seria comum como todo o resto. O homem representaria a coroa de toda obra criada por Ele – “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança”.

É inegável pelos registros bíblicos que a criação do homem foi algo muito distinto de todos os outros seres vivos. Compare as seguintes expressões: “Produza a terra relva, ervas que deem semente, e árvores frutíferas que deem fruto segundo a sua espécie” – “Povoem-se as águas de enxames de seres viventes” – “Produza a terra seres viventes, conforme a sua espécie”, e perceba que no momento de criar o homem, há a simples declaração: “Criou Deus, pois o homem” sem que houvesse a necessidade de uma mediação.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Teologia Sistemática – Louis Berkhof

Compartilhar

One thought on “A criação do primeiro homem.

  • 31 de dezembro de 2019 em 17:04
    Permalink

    Ótimo comentário.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.