A mulher no plano de Deus

I Pedro 3: 1-7
 “Semelhantemente, vós, mulheres, sede sujeitas ao vosso próprio marido, para que também, se algum não obedece à palavra, pelo procedimento de sua mulher seja ganho sem palavra, considerando a vossa vida casta, em temor. O enfeite delas não seja o exterior, no frisado dos cabelos, no uso de joias de ouro, na compostura de vestes, mas o homem encoberto no coração, no incorruptível trajo de um espírito manso e quieto, que é precioso diante de Deus… … Igualmente vós, maridos, coabitai com ela com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais fraco; como sendo vós os seus coerdeiros da graça da vida; para que não sejam impedidas as vossas orações”.

O papel de Eva no Édem não era para, simplesmente, amenizar a solidão de Adão. Ela não seria uma mera espectadora naquele lugar repleto de atividades a serem desenvolvidas. O papel de Eva na história da humanidade não era a de uma coadjuvante que, auxiliaria Adão a cumprir seu papel com êxito e, no final, receber sozinho o “prêmio”, muito pelo contrário, ela seria a personagem principal de toda a história da humanidade que, mesmo tendo errado, sem ela, nada disso seria possível.

A mulher ocupa um papel de destaque nos planos de Deus e, dentre as muitas conjecturas que se fazem sobre o fato de Eva ter sido criada da costela de Adão, pouco se fala da analogia entre as funções das costelas no corpo humano e o papel da mulher em relação ao homem.

Como escrevi anteriormente, não há no cristianismo lugar para machistas e feministas. Nenhum dos dois movimentos, ou comportamentos, encontram base ou sustento na Palavra do Senhor para se sustentarem. Na Igreja de Cristo não há espaço para machistas e feministas, isso é inadmissível e inaceitável e deve ser energicamente combatido. Na Igreja de Cristo há espaço e trabalho suficiente para homens e mulheres independente da espiritualidade e intelectualidade.

Não é nossa intenção exaurir o assunto sobre o movimento feminista. Primeiro, por que é um assunto polêmico que tem base cultural dos países colonizadores e, isso vem de tempos remotos. Segundo, por que não é esse o propósito do artigo, o que nós queremos enfatizar é que, tanto o homem como a mulher, aos olhos de Deus, tem os mesmos direitos e são iguais naquilo que é concernente a deveres e responsabilidades.

A Bíblia Sagrada tem como principal objetivo revelar ao homem que existe um Deus. Ela não tenta provar que existe um Deus, ela simplesmente diz que há Deus. Não podemos ter os comportamentos culturais, que nela estão narrados, como exemplos a serem copiados por nós. A história bíblica está narrada no contexto cultural, social, religioso e espiritual do povo israelita, sendo assim, muitas coisas que eles praticavam ou praticam até hoje, estão inseridas no contexto cultural deles, exclusivamente deles. O máximo que podemos fazer com as narrativas bíblicas é fazer uma aplicação espiritual para o nosso tempo, mas jamais copiar como modelo de vida para nós – homens e mulheres.

Não estamos nos rebelando contra os costumes e tradições de algumas igrejas, porém se é para seguir o padrão bíblico, sejamos, então, rigorosos. Esperamos que tenham entendido a mensagem deste artigo, não estamos contestando os princípios bíblicos, mas tão somente o comportamento dos povos no que diz respeito aos direitos e deveres das mulheres na sociedade daquele tempo.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
 Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.