A chamada de Abraão.

Gênesis 12: 1-2
 “Ora, o Senhor disse a Abrão: Sai-te da tua terra, e da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome, e tu serás uma bênção”.

A Mesopotâmia é considerada um dos berços da civilização, já que foi na Baixa Mesopotâmia onde surgiram as primeiras civilizações por volta do VI milênio a.C. As primeiras cidades foram o resultado culminante de uma sedentarização da população e de uma revolução agrícola, que se originou durante a Revolução Neolítica. O homem deixava de ser um coletor que dependia da caça e dos recursos naturais oferecidos, uma nova forma de domínio do ambiente é uma das causas possíveis da eclosão urbana na Mesopotâmia. A partir do III milênio a.C. cidades como Ur, Uruque, Nipur, Quis, Lagas e Eridu e a região do Elam se desenvolvem e a atividade comercial entre eles se torna mais intensa. Os templos passam a gerir a economia e muitos zigurates são construídos.

A cidade de Ur desempenha um papel pequeno na história do AT, porém bastante significativo. Quando Deus resolveu escolher um homem e uma família como ancestrais da nação de Israel, esse homem foi Abrão e a família de Tera. Todos eles eram semitas ocidentais (ou amorreus), embora nessa época estivessem vivendo no sul da Mesopotâmia, dentro dos limites ou nas proximidades da cidade sumeriana de Ur.

Embora a arqueologia não tenha fornecido provas concretas da existência de Abraão, abundantes evidências foram acumuladas, as quais, longe de contradizer a história bíblica, levaram muitos estudiosos a aceitarem seu relato como um genuíno reflexo do período que ela se propõe a representar. Essas evidências estão sob a forma de fontes documentadas que estabelecem as tradições culturais refletidas na história bíblica.

Os homens estavam ainda relutantes em cumprir a ordem divina de povoar a terra. Não é que o numero de habitantes fosse pequeno, mas a área conquistada, em relação ao planeta, era insignificante. Aglomeraram-se numa região fértil e se distanciaram de Deus indo atrás de outros deuses. A cidade natal de Abraão, Ur dos caldeus, assim como as outras circunvizinhas, adoravam os corpos celestes e os tinham como deuses. E, Abraão vivia em meio a essa cultura.

O convite de Deus era para que Abraão se transformasse num desbravador, um conquistador de terras distantes. A promessa consistia em fazer de Abraão uma nação extraordinária em numero de cidadãos e, apesar de receberem um território fixo, o objetivo principal da peregrinação de Abraão era revelar a outros povos a existência de um Deus Único por todo o mundo, testemunhando da Sua misericórdia e graça para com todas as pessoas.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Mesopotâmia
– Dicionário Bíblico Wycliffe

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.