O alvo de Paulo: a perfeição em Cristo.

Filipenses 3: 1-6
 Resta, irmãos meus, que vos regozijeis no Senhor. Não me aborreço de escrever-vos as mesmas coisas, e é segurança para vós. Guardai-vos dos cães, guardai-vos dos maus obreiros, guardai-vos da circuncisão! Porque a circuncisão somos nós, que servimos a Deus no Espírito, e nos gloriamos em Jesus Cristo, e não confiamos na carne. Ainda que também podia confiar na carne; se algum outro cuida que pode confiar na carne, ainda mais eu: circuncidado ao oitavo dia, da linhagem de Israel, da tribo de Benjamim, hebreu de hebreus; segundo a lei, fui fariseu, segundo o zelo, perseguidor da igreja; segundo a justiça que há na lei, irrepreensível”.

Então, chegamos ao final deste primeiro trimestre de 2020 e, o desejo de todos os que se empenharam em ministrar suas aulas com um conteúdo autêntico e fundamentado nas sãs doutrinas da Bíblia Sagrada, é que tudo quanto foi dito no decorrer destes noventa dias, possa ficar gravado com “pena de ferro e com chumbo” na mente e coração dos que ouviram. Que todo o ensino deste trimestre não fique somente na esfera da teoria, mas que possa evoluir para a praticidade de uma vida devotada a expansão do Reino de Deus.

Esta última lição deve ser vista como “acabamento”, o “arremate” de tudo quanto foi estudado. Vimos, nestes estudos, qual a nossa origem; como ocorreu e por que se deu a nossa Queda; discernimos claramente qual a nossa missão neste mundo; e, por fim, estamos aprendemos que nossa redenção só é possível na pessoa do Deus Filho – Jesus Cristo. Está indubitavelmente entendido que todos os homens – toda a raça humana – prestarão conta diante de Deus de todos os seus atos. Deus, mesmo sendo Soberano, não interferirá em nossas escolhas naquilo que se aplica a salvação. O Seu desejo é que todos se salvem, entretanto, Ele respeita as nossas escolhas e preferências.

Aprendemos que, os que aceitam a Jesus como Salvador e Senhor de suas vidas, agora não vivem mais conforme os ditames do mundo, antes, tais pessoas andam e vivem segundo as exigências de Deus. Exigências que são mansamente aceitas e acatadas, pois nelas estão todas as orientações indispensáveis para que vivamos e não morramos. Exigências que para muitos é um peso insuportável, mas para os que estão vivendo “novidade de vida” é um “jugo suave” e um “fardo leve”.

Se há um modelo no qual devamos nos espelhar (naquilo que diz respeito às coisas espirituais), esse modelo é o Senhor Jesus. Paulo quando convidou os crentes a serem seus imitadores assim como ele era de Cristo, ele usou a melhor expressão para designar o que somos dele e de Cristo – IMITADORES. O imitador, por mais que seja perfeita sua imitação, jamais será reconhecido como original, será sempre um imitador. Perfeitos iguais a Cristo, aqui neste mundo não chegaremos jamais, nem por isso devamos desistir de ser seus imitadores.

Aprendemos, neste trimestre, que a religião é um instrumento para professarmos a nossa fé, contudo, se esta religião não estiver em conformidade com as sãs doutrinas da Sagrada Escritura, nossa fé será inconsistente e vã.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.