A conversão de Saulo no caminho de Damasco.

Atos 9: 3-5
 “E, indo no caminho, aconteceu que, chegando perto de Damasco, subitamente o cercou um resplendor de luz do céu. E, caindo em terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? E ele disse: Quem és, Senhor? E disse o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões”.

Estamos iniciando mais um trimestre de estudos bíblicos e, neste trimestre, fomos agraciados com um fabuloso estudo sobre a igreja de Éfeso. Entretanto, é impossível falarmos sobre essa igreja sem que antes seja mencionado o seu autor o apóstolo Paulo. Embora haja alguns estudiosos que questionam a legalidade da autoria paulina devido aos muitos trechos identificados como impessoais, todavia, os “pais” da igreja asseguram a legalidade da autoria ao apóstolo Paulo. Devemos ressaltar com bastante ênfase, que o estudo deste trimestre não trata da teologia da carta aos Efésios, embora seja necessário seu conhecimento, mas o assunto está inteiramente voltado para a postura da igreja fiel diante da sociedade.

Devemos estar apercebidos de que a Bíblia – a Palavra de Deus, não se ocupa em “falar” sobre a vida pregressa de alguns personagens ilustres, sendo um deles o nosso objeto de comentário hoje – Paulo de Tarso. A razão disto é que a fase da nossa vida que importa para o nosso Deus, é o período em que nos tornamos instrumentos úteis na expansão do Seu Reino. De todas as coisas que sabemos sobre o Saulo de Tarso antes do seu glorioso encontro com Jesus, vem de fontes externas, muito pouco a Bíblia fala do seu passado. Por exemplo: a razão de sua dupla cidadania. Nem o próprio Paulo, tendo várias oportunidades de escrever uma biografia de si mesmo não o fez. Para Paulo sua vida estava dividida em duas fases: a primeira tinha encerrado definitivamente naquele glorioso encontro com Jesus e, não merecia rememoração; a segunda fase, o que vemos é um judeu “fanático” transformado em um discípulo fiel, dedicado e submisso ao Senhorio de Jesus Cristo. Por isso, nem Paulo, por sua própria vontade, não faz questão de apresentar a fase de sua vida judaica. Esta, de vez em quando e com poucas e limitadas afirmações, serve de pano de fundo escuro – “pois que persegui a igreja de Deus”, contrastando fortemente com o início da segunda fase, a sua vida propriamente dita. O próprio Paulo estabelece um limite de informações, que deve ser respeitado.

O objetivo deste primeiro artigo é destacar que o autor da carta aos crentes Efésios – Paulo de Tarso, era um homem verdadeiramente convertido ao Evangelho de Cristo, tudo quanto ele escreveu orientando as igrejas, ele o fez sob a autoridade de Jesus Cristo e inspiração do Espírito Santo. Seus escritos não são meras teorias cristãs, mas, verdadeiros testemunhos de alguém que “combateu o bom combate, acabou a carreira e guardou a fé”.

Todas as pessoas que têm um encontro com Jesus fazem descobertas espetaculares, Paulo, por exemplo, descobriu que não estava servindo a Deus com a sua religião, pelo contrário, estava perseguindo, ele também descobriu que era pecador, embora fosse um religioso notável. É extraordinário o que Deus faz com as pessoas quando estas se submetem ao Seu Senhorio – Paulo de um fariseu legalista se tornou o proclamador da graça de Deus.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Comentário Expositivo do Novo Testamento – Warren W. Wiersbe
– Apóstolo Paulo, Vida, Obra e Teologia – Jürgen Becker

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.