Deus nos elegeu e nos predestinou em Cristo antes da fundação do mundo.

Efésios 1: 4-6
 “Como também nos elegeu nEle antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dEle em amor, e nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para Si mesmo, segundo o beneplácito de Sua vontade, para louvor e glória da Sua graça, pela qual nos fez agradáveis a Si no Amado”.

Antes de aprendermos o que é ser igreja, digo isso em relação a cada crente sendo a própria igreja e não apenas um mero representante de igreja, devemos compreender a razão pela qual fomos feitos igreja. Pois, os ensinos eclesiológicos só serão compreendidos quando estivermos alicerçados nos ensinos soteriológicos. Em suma, não adianta sabermos todas as coisas referentes e inerentes a igreja se não tivermos uma real e determinada compreensão do “por que” somos igreja.

Aos “olhos” de Deus, só pode ser igreja quem é salvo. Para titulo de esclarecimento o “ser igreja” se aplica às pessoas que estão completamente cientes do que ocorreu em suas vidas, melhor dizendo, do que Deus fez por suas vidas. É, exatamente nesta tecla que Paulo está batendo, quando começa a escrever aos crentes de Éfeso , bem como aos de todos os tempos. Em outras palavras ele estava dizendo o seguinte: “Olha! Vocês só terão a nítida noção do que quer dizer o termo igreja, quando compreenderem o que Deus, em Jesus Cristo, realizou por cada um de vós”. Deus nos salvou por, tão somente, Sua infinita Graça e Misericórdia.

A doutrina bíblica da Salvação, sem a intenção de sair em defesa de um ou de outro seguimento teológico, pois, para sermos salvos não nos interessa o que cada teólogo escreveu ou comentou – “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé …” e, a nossa fé deve ser em Cristo Jesus e não nos ensinos destes grande servos de Deus. Como tenho dito, a falta de conhecimento (agora falo do conhecimento teológico) nos faz incorrer numa vida miserável neste mundo, miserável no sentido de abster-se de desfrutar todas as bênçãos prometidas por Deus aos seus filhos (o filho que ficou em casa, da passagem do filho pródigo, é um ótimo exemplo). O que estou querendo dizer é que há em nosso meio (e isso sempre existiu no meio da igreja) alguns irmãos que, por mais que expliquemos acerca de algumas doutrinas bíblicas, eles não vão compreender jamais, mas que, nem por isso, deixarão de ser salvos.

Antes de falarmos sobre a nossa eleição devemos compreender que a salvação tem um caráter jurídico em “primeira instância”. Nosso Deus, o Supremo Juiz, em função do que o Filho realizou na cruz, muda a sentença daqueles que, ao serem convencidos pelo Espírito Santo, creram, pela fé (dom de Deus) na obra realizada por Jesus na cruz. Sendo assim, a punição que merecíamos por nossos pecados é anulada nos libertando do castigo. Isso é ser justificado. A justificação é um ato instantâneo e passado da parte de Deus, por meio da qual somos salvos da culpa advinda do pecado – o registro do pecado é apagado e nos tornamos sem culpa diante do nosso Juiz.

Quando a Palavra de Deus diz que fomos eleitos, ela não está apontando somente para alguns crentes, a eleição de Deus abrange toda a humanidade. A eleição da humanidade é em função da obra de Cristo na cruz. Não obstante, biblicamente o termo eleição não pode ser visto como uma preterição de Deus a algumas pessoas. Deus escolheu toda a humanidade para ser participante da salvação em Cristo mesmo sabendo que muitos rejeitariam essa oferta.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Teologia Sistemática – Norman Geisler

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.