Todos pecaram e encontravam-se longe de Deus.

Romanos 3: 21-23
 “Mas, agora, se manifestou, sem a lei, a justiça de Deus, tendo o testemunho da Lei e dos Profetas, isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que creem; porque não há diferença. Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”.

Sem a intenção de ser maçante com os artigos que escrevo, às vezes fico repetindo alguns assuntos com, simplesmente, a intenção de que eles fiquem bem compreendidos e definitivamente esclarecidos para alguns crentes. Só vamos valorizar o que Jesus Cristo nos proporcionou com o sacrifício na cruz, quando entendermos plenamente o que significa ser salvo e permanecer salvo. Ser salvo pode até ser representado no ato publico de “levantar a mão” e aceitar Jesus, mas o permanecer salvo implica em um “giro de 360º” em nossas vidas, isto é, uma mudança radical em todas as esferas do nosso viver.

Deus por um ato exclusivamente de Sua economia nos justificou em Cristo Jesus. A nossa justificação é um ato e não um processo, mesmo porque o homem não pode prosseguir justificando-se a si mesmo, nós fomos justificados por Deus em Cristo Jesus no exato momento em que fomos salvos. A justificação não significa que Deus nos transformou em justos – “Não há um justo, nem um sequer”, mas que nos declara justos. A justificação é uma questão legal. Deus coloca a justiça de Cristo em nosso registro no lugar de nossa pecaminosidade, e ninguém pode mudar esse registro. Para uma melhor compreensão vamos ilustrar da seguinte forma: Deus, assim que fomos salvos por Jesus, “carimbou” a nossa extensa lista de delitos e pecados, com letras vermelhas e garrafais a palavra JUSTIFICADO. Todos os nossos crimes foram “transferidos” para Jesus. Ele voluntariamente assumiu toda a culpa que era minha, que era sua, que era nossa.

O evangelho é a revelação plena do que é a justiça divina, embora o Senhor desde o princípio tenha manifestado a Sua justiça de várias maneiras, somente no evangelho é que podemos ver Sua justiça sendo revelada com toda sua magnificência. Pois, na Lei do Antigo Testamento, a justificação dava-se quando o homem se comportava bem, ou seja, assim como nos dias de hoje, rotulamos, segundo nosso entendimento, como justos aqueles que têm um procedimento honesto e coerente com a profissão de fé; mas, sob a ótica do evangelho, a justificação se dá quando o homem crê, claro que associado à fé está o nascer de novo.

Indiscutivelmente sabemos que todos os seres humanos acreditam (creem) em alguma coisa, porém o crente crê em Jesus Cristo, A justiça que a Lei divina promovia era uma recompensa por obras realizadas. A justiça que o evangelho proporciona é uma dádiva concedida por meio da fé. Dizer: “Eu acredito em Deus!”, não torna ninguém salvo. O que salva e justifica o pecador é a fé pessoal e individual em Jesus Cristo. Até mesmo os demônios no inferno creem em Deus e estremecem, no entretanto nenhum deles alcançarão a salvação em Cristo.

O evangelho da salvação, por meio de Cristo, está ao alcance de todos, todos os que entendem (não por si mesmos) que precisam ser salvos – “Todos pecaram e estão aquém da glória de Deus“. Deus declarou todos os homens culpados para que pudesse oferecer a todos o dom gratuito da salvação.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Comentário Bíblico Expositivo do Novo Testamento – Warren W. Wiersbe

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.