A unidade da igreja é a consequência de um viver humildade, manso e longânimo.

Efésios 4: 1-2
 “Rogo-vos, pois, eu, o preso do Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados, com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor”.

Anteriormente escrevemos sobre a falta de sensibilidade (espiritual) de alguns crentes para compreenderem com mais clareza quais são os reais propósitos para a Igreja de Cristo. O Senhor Jesus fundou a Igreja com propósitos definidos e específicos.  Evidentemente que o propósito do Senhor não era que a Igreja apenas existisse como finalidade em si mesma, para se tornar, por exemplo, simplesmente mais uma denominação formada por membros de mentalidade semelhante. Pelo contrário, a Igreja é uma comunidade formada por Cristo em benefício do mundo. Cristo entregou-se em favor da Igreja, e então a revestiu com o poder do dom do Espírito Santo a fim de que ela pudesse cumprir o plano e propósito de Deus.

Sendo um organismo vivo, a igreja de Cristo, além da responsabilidade de evangelizar as nações e fazer discípulos, ela tem a imensa responsabilidade consigo mesma, ou seja, na evangelização, a Igreja focaliza o mundo; na adoração, volta-se para Deus; e, na edificação, atenta (corretamente) para si mesma. Somos, incessantemente, admoestados pela Bíblia Sagrada a edificar-nos mutuamente uns aos outros, para assim formarmos um corpo bem ajustado.

A edificação pode ser levada a efeito por muitos meios práticos. Por exemplo: ensinar e instruir os outros nos caminhos de Deus certamente enriquece a família da fé – “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo”. Administrar a correção espiritual numa atitude de amor é essencial na ajuda ao irmão desviado, a fim de que permaneça no caminho da fé – “Irmãos, se algum homem chegar a ser surpreendido nalguma ofensa, vós, que sois espirituais, encaminhai o tal com espírito de mansidão, olhando por ti mesmo, para que não sejas também tentado”. Compartilhar com os necessitados, levar os fardos uns dos outros – “Levai as cargas uns dos outros e assim cumprireis a lei de Cristo”, e fornecer oportunidades para o convívio e interação social cristã, são meios relevantes de edificar o corpo de Cristo.

Assim como numa família, os membros de uma igreja devem viver uns para os outros, em algumas situações a Bíblia diz que devemos – “Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros”. Numa igreja os membros não podem viver só para si; devemos ser portadores do amor fraternal, tendo cuidado uns dos outros – “Para que não haja divisão no corpo, mas, antes, tenham os membros igual cuidado uns dos outros”; chorando com os que choram e alegrando-se com os que se alegram – “De maneira que, se um membro padece, todos os membros padecem com ele; e, se um membro é honrado, todos os membros se regozijam com ele”.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Teologia Sistemática – Stanley Horton
– Teologia Sistemática – Eurico Bergstén

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.