Despertando o dom.

II Timóteo 1: 6
 “Por este motivo, te lembro que despertes o dom de Deus, que existe em ti pela imposição das minhas mãos”.

Outro dia, durante uma viagem, estava escutando o sermão de um renomado pregador do evangelho, cuja mensagem estava direcionada justamente para o assunto em pauta – AVIVAMENTO ESPIRITUAL. Em seu sermão tal pastor relatou algumas de suas muitas viagens, para ministrar a Palavra de Deus, pelo Brasil e exterior. Certo de que não há nenhuma necessidade de ele mentir para os seus ouvintes, ele falou da verdadeira situação de muitas igrejas. Em algumas igrejas o tempo para ministração da Palavra de Deus era exíguo, a ênfase do culto girava entorno de louvores e oportunidades; em outras não se podia falar abertamente de qualquer assunto, como, por exemplo, o pecado; em outras o sermão deveria ser entregue, por escrito, ao pastor local para uma análise. Mas o que mais me estarreceu, foi ouvi-lo dizer que chegou num templo suntuoso onde havia apenas quinze membros congregando. É nessa tecla que bateremos.

Como pode uma igreja querer se designada como evangélica se não proclama a salvação em Cristo aos seus concidadãos? Como pode uma igreja ser chamada de “casa de Deus” se os seus membros estão voltados estritamente para si mesmos? Como pode uma igreja que não faz nenhum discípulo para Cristo receber a designação de cristã? Como pode uma igreja que não tem nenhum cuidado com os da própria fé ser reconhecida como igreja de Cristo? Como disse o missionário Erlo Stegen em seu testemunho sobre o inicio do seu ministério – quando me deparo com situações como as que escrevemos acima sobre as igrejas atualmente, penso que a Bíblia não passa de um livro de estorinhas, que algumas de suas narrativas não passam de mensagens estritamente motivacionais.

As cartas pastorais que Paulo escreveu nos revela que as igrejas tinham problemas, mas que, embora houvesse problemas, havia também um grupo de crentes avivados cuja dedicação e zelo pela obra de Cristo era patente em suas vidas. Houve um tempo, e isso não foi tão distante, em que muito se ouviu sobre a “individualidade” da salvação, a questão é que não explicaram “direitinho” sobre o que significava essa individualidade e, por isso, muitas pessoas hoje em dia entram e saem das igrejas sem falar um “oi” com seu irmão de fé. Como sempre dizemos, é inconcebível que alguém receba de Deus a salvação gratuitamente e não queira divulgar isso ao seu próximo para que este possa ser salvo também. Esse tipo de crente precisa ser avivado. Ele tem que despertar, em si mesmo, o dom que Deus lhe deu.

Até para servir a Deus precisamos ser avivados. Sabem por quê? Por que se não estivermos avivados iremos servi-Lo a nosso modo; do nosso jeito. Por isso, precisamos despertar para o serviço na obra de Deus. O serviço na obra de Deus é uma imperiosa necessidade.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.