O poder de Deus sobre o rei Dario.

Esdras 5: 13-17
 “Porém, no primeiro ano de Ciro, rei de Babilônia, o rei Ciro deu ordem para que esta Casa de Deus se edificasse. E até os utensílios de ouro e de prata, da Casa de Deus, que Nabucodonosor tomou do templo que estava em Jerusalém e os meteu no templo de Babilônia, o rei Ciro os tirou do templo de Babilônia, e foram dados a um homem cujo nome era Sesbazar, a quem nomeou governador. E disse-lhe: Toma estes utensílios, e vai, e leva-os ao templo que está em Jerusalém, e faze edificar a Casa de Deus, no seu lugar. Então, veio o dito Sesbazar e pôs os fundamentos da Casa de Deus, que está em Jerusalém; e desde então para cá se está edificando e ainda não está acabada. Agora, pois, se parece bem ao rei, busque-se lá na casa dos tesouros do rei, que está em Babilônia, se é verdade haver uma ordem do rei Ciro para edificar esta Casa de Deus em Jerusalém; e sobre isso nos faça o rei saber a sua vontade”.

Contra a verdade não há argumento que se sustente indefinidamente. Ainda que a intenção dos inimigos fossem paralisar a obra de reconstrução do Templo e impedir a sua conclusão, Esdras e os homens que com ele estavam não foram arrogantes diante do que Tatenai solicitou. Tatenai era uma “espécie” de governador nomeado por Dario e supervisionava o distrito de Samaria, sendo assim, ele não só tinha o direito de requisitar o que pediu a Esdras como também tinha autoridade para embargar a obra até que o assunto estivesse resolvido. Aparentemente nada estava sendo feito de forma autoritária, Tatenai estava exercendo sua função que era a de proteger os interesses do rei, entretanto, não podemos ser muito ingênuos em determinadas circunstâncias. Claro que a verdadeira intenção era impedir a conclusão da obra.

É muito difícil ter uma definição exata de como devemos nos comportar diante de certos assuntos. Evidentemente que cada situação exige uma atitude diferente, como por exemplo, quando está claro que a intenção é atrapalhar a obra de Deus, devemos buscar em Deus seus sábios conselhos para que as nossas atitudes não maculem o Seu Santo Nome.

A Palavra de Deus no diz expressamente que devemos ser submissos às autoridades constituídas, mas a questão é: até que ponto devemos nos submeter às autoridades?

Muitos crentes gostam de usar a passagem de Pedro e os apóstolos que com ele estavam para justificar sua rebeldia contra os governos constituídos, porém, os que assim procedem devem atentar para um pequeno detalhe na passagem bíblica – ali, eles estavam sendo impedidos de pregar o Evangelho de Cristo. Numa situação como esta, é claro, que iremos agir como eles. Em outro lugar na Bíblia Sagrada somos exortados a obedecer às autoridades, pois se formos rebeldes estamos sujeitos as punições – “Por isso, quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação”.

Diante do exposto, só temos que concluir que a nossa submissão vai até o ponto em que os decretos e leis não confrontem claramente a Palavra de Deus. Nós não estamos impedidos de anunciar o Evangelho de Cristo, estamos sim, impedidos (mais ou menos) de nos reunir na igreja como era nosso costume. A liturgia do culto não foi impedida, por enquanto não.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Dicionário Bíblico Wycliffe

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.