O poder de Deus traz prosperidade.

Esdras 6: 14
 “E os anciãos dos judeus iam edificando e prosperando pela profecia do profeta Ageu e de Zacarias, filho de Ido; e edificaram a casa e a aperfeiçoaram conforme o mandado do Deus de Israel, e conforme o mandado de Ciro, e de Dario, e de Artaxerxes, rei da Pérsia”.

Finalmente, depois de cinco anos e meio, concluiu-se a obra do segundo Templo. Todo o povo rejubilava porque agora tinha um lugar onde poderiam prestar seus sacrifícios a Deus. Para os que viram o primeiro Templo, a estrutura, móveis e utensílios do segundo não se assemelhavam em esplendor ao do primeiro Templo. Provavelmente alguns judeus choravam por aquilo que não tinham mais, mas, em contrapartida, os mais moços rejubilavam por aquilo que tinham. O crente fiel não perde tempo lamentando o que foi perdido, antes, ele louva e glorifica a Deus por aquilo que tem em suas mãos. Não adianta ficar choramingando pelos cantos lamentando pelos “bons tempos” em que podíamos nos reunir nas igrejas, alegremo-nos e glorifiquemos a Deus porque ainda podemos adorá-lo em nossos lares sem impedimento algum, pois virão dias em que até isso nos será vetado.

A obra do Templo foi concluída e isso se deu, em primeiro lugar porque Deus, por Sua benignidade e misericórdia amparou os trabalhadores em toas as situações; em segundo lugar a obra foi concluída pelo esforço do próprio povo que se dedicou zelosamente e, em terceiro lugar, a obra foi concluída porque houve a colaboração dos governantes do império persa. Indiscutivelmente eles não agiram por livre e espontânea vontade, mas pelo mover das poderosas mãos de Deus cuja vontade não pode ser impedida.

Na consagração do primeiro Templo, o numero de sacrifícios foram tantos que se perdeu a conta, isso sem falar nas ofertas pacíficas; no primeiro Templo que Salomão construiu, a presença da Arca dava a conotação de que aquele Templo era, de fato, a casa de Deus; no primeiro Templo a suntuosidade, no que diz respeito ao material usado para adornar o Templo, suplantou a qualquer construção daquela época. Todavia, apesar de terem sido oferecidos “apenas” 712 sacrifícios no segundo Templo; embora a Arca não estivesse ali, no segundo Templo e, ainda que alguns judeus não tenham percebido a glória do Senhor enchendo o segundo Templo, não obstante a isso, a presença do Senhor foi tão impactante quanto no primeiro Templo.

O que falta a muitos crentes é entenderem o verdadeiro significado da palavra prosperidade, pelos menos dentro do conceito bíblico. Ser próspero, nem sempre significa ter tudo do bom e do melhor, mas, tão somente estar verdadeiramente satisfeito com aquilo que tem. Os anciãos de Israel, somente pelo fato de que o segundo Templo não apresentava a mesmas características do segundo lamentaram, mas os mais novos estavam plenamente satisfeitos com aquilo que seus olhos contemplavam.

Não é o “numero de sacrifícios” que atrai a presença de Deus, mas a condição espiritual de quem os apresenta ao Senhor.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Comentário Bíblico Expositivo do Velho Testamento – Warren W. Wiersbe

Compartilhar

One thought on “O poder de Deus traz prosperidade.

  • 2 de agosto de 2020 em 19:22
    Permalink

    Parabéns material de excelente qualidade..esta revista edição especial adulto e jovens esta maravilhosa parabéns a toda equipe

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.