Separação, ordem divina.

Josué 23: 6-11
 “Esforçai-vos, pois, muito para guardardes e para fazerdes tudo quanto está escrito no livro da Lei de Moisés, para que dela não vos aparteis, nem para a direita nem para a esquerda; para que não entreis a estas nações que ainda ficaram convosco; e dos nomes de seus deuses não façais menção, nem por eles façais jurar, nem os sirvais, nem a eles vos inclineis. Mas ao Senhor, vosso Deus, vos achegareis, como fizestes até ao dia de hoje; pois o Senhor expeliu de diante de vós grandes e numerosas nações; e, quanto a vós, ninguém ficou em pé diante de vós até ao dia de hoje. Um só homem dentre vós perseguirá a mil, pois é o mesmo Senhor, vosso Deus, o que peleja por vós, como já vos tem dito. Portanto, guardai muito a vossa alma, para amardes ao Senhor, vosso Deus”.

Estar separado do mundo é um dever do crente. É uma exigência de Deus ao seu povo – “Disse Josué também ao povo: Santificai-vos, porque amanhã fará o Senhor maravilhas no meio de vós”. Nosso Deus é um Deus que tem “ciúmes” de seu povo, Ele exige exclusividade no relacionamento com Ele. As únicas opções que o crente tem em relação a Deus é estar com Ele ou contra Ele – “Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha”, não há o meio termo. Deus é Santo e, sua santidade exige que os que querem servi-Lo devem estar nas mesmas condições de santidade. A Santidade de Deus não tolera o menor resquício de impureza, seja na esfera espiritual, ou seja, na esfera da moralidade na vida dos crentes.

Dos muitos assuntos que estão sendo negligenciados nas igrejas, a santidade é um deles. Quando exigem santidade dos membros o fazem aplicando a santidade num sentido de tradições e costumes seculares sem nenhuma sustentação bíblica (não pode isso e não pode aquilo).

O termo santidade é um substantivo que deriva do verbo santificar e do adjetivo santo. Tanto no hebraico, quanto no grego o termo santo significa literalmente separado, consagrado e recriado para Deus, diante disto, em relação às pessoas que servem a Deus, o termo implica em devoção e assimilação. Devoção porque a vida do crente deve ser uma vida toda dedicada ao serviço do Senhor e, assimilação, por que temos que nos conformar (adequar) e sermos imitadores do modo de viver do nosso Deus. A lei moral de Deus é a nossa regra para um viver santo e Jesus o modelo que devemos imitar como estilo de vida.

Quando deixamos de buscar a santificação, sem duvida alguma, estamos inclinados a satisfazer os desejos da nossa carne. E, quando o crente insiste em seguir o caminho da autossatisfação, ele incorre no perigo de reduzir suas orações em palavras vazias, bem com, trará sobre si a vara de Deus como resultado de todas as consequências erradas de sua vida. A falta de santificação conduz o crente a padecer os mesmos sofrimentos que as pessoas do mundo estão sofrendo – “Porque, quanto ao Senhor, seus olhos passam por toda a terra, para mostrar-se forte para com aqueles cujo coração é perfeito para com Ele”.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Definindo Santidade – J. I. Packer
– Santidade Prática – A. W. Pink

Compartilhar

3 thoughts on “Separação, ordem divina.

  • 10 de agosto de 2020 em 14:59
    Permalink

    Cada dia aprendendo aqui….palavras de facil entendimento parabéns….

    Resposta
  • 12 de agosto de 2020 em 08:26
    Permalink

    O trecho do comentário de hoje quando fala do senhorio do nosso senhor Jesus Cristo o cuidado que ele t por nós…me lembrei na hora de

    *Jo. 17.9-17*📖 *Eu rogo por eles;* *não rogo pelo mundo,* mas por aqueles que me deste, porque são teus.
    10 E todas as minhas coisas são tuas, e as tuas coisas são minhas; e nisso sou glorificado.
    11 E eu já não estou mais no mundo, mas eles estão no mundo, e eu vou para ti. Pai santo, *guarda em teu nome aqueles que me deste,* para que sejam um, assim como nós.
    12 Estando eu com eles no mundo, guardava-os em teu nome. Tenho guardado aqueles que tu me deste, e nenhum deles se perdeu, senão o filho da perdição, para que a Escritura se cumprisse.
    13 Mas agora vou para ti, e digo isto no mundo, para que tenham a minha alegria completa em si mesmos.
    14 Dei-lhes a tua palavra, e o mundo os odiou, *porque não são do mundo, assim como eu não sou do mundo.*
    15 *Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal.*
    16 *Não são do mundo, como eu do mundo não sou.*
    17 Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.