Vida separada glorifica a Deus.

Deuteronômio 28: 1-13
 “E será que, se ouvires a voz do Senhor, teu Deus, tendo cuidado de guardar todos os seus mandamentos que eu te ordeno hoje, o Senhor, teu Deus, te exaltará sobre todas as nações da terra. E todas estas bênçãos virão sobre ti e te alcançarão, quando ouvires a voz do Senhor, teu Deus: … O Senhor te abrirá o seu bom tesouro, o céu, para dar chuva à tua terra no seu tempo e para abençoar toda a obra das tuas mãos; e emprestarás a muitas gentes, porém tu não tomarás emprestado. E o Senhor te porá por cabeça e não por cauda; e só estarás em cima e não debaixo, quando obedeceres aos mandamentos do Senhor, teu Deus, que hoje te ordeno, para os guardar e fazer”.

Eu fico observando alguns pregadores vociferarem no microfone assegurando uma coisa que o próprio Deus não falou, melhor dizendo, não é que Deus não tenha falado, mas sobre as condições que Ele falou. Estes pregadores inculcam os crentes a agirem de maneira contraditória à Palavra de Deus. As promessas que Deus faz, não são feitas de maneira aleatória e, muito menos, de forma indiscriminada, as promessas do Senhor estão condicionadas a uma atitude daquele que deseja ser alcançado por elas. Sempre foi assim, foi assim com Israel é assim com a igreja.

O mundanismo na Igreja corrompe os bons costumes e extingue a santidade”.

Esta frase é a verdade prática desta lição (7) e a pergunta é: O Senhor receberá, para as bodas, uma igreja maculada? Certamente não há necessidade de responder isso.

Há algo que precisamos compreender de uma vez por todas – a santificação não é uma escolha que o crente faz, a santificação é uma exigência de Deus ao seu povo, exigiu de Israel no passado e exige da igreja nos dias de hoje. A santificação tem por fim dois objetivos, o primeiro é glorificar o nome de Deus e, o segundo é para testificar ao mundo que estamos separados do seu sistema, pois andamos livremente subordinados à vontade do nosso Deus e Senhor. Andar livremente subordinado quer dizer que, após a salvação, nós nos submetemos ao senhorio do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo por livre e espontânea vontade. Neste sentido, então, a santificação é vista como uma exigência divina e não como uma imposição.

Para uma melhor compreensão do que escrevemos, atentemos para o seguinte: nem todas as pessoas que aceitam a Jesus com seu Salvador o colocam como sendo o Senhor de suas vidas. São pessoas que querem ser salvas, mas sem ter que renunciar à própria vida. E, isto é uma questão que incomoda muita gente, porque elas entendem que renunciar é jogar tudo fora e seguir desajuizadamente a Jesus. Renunciar não é jogar tudo fora, antes significa não priorizar as coisas materiais em detrimento às espirituais.

Moisés deixou bem esclarecido que as bênçãos do Senhor não alcançariam aqueles que vivessem dissolutamente, muito pelo contrário, as bênçãos do Senhor estariam condicionadas ao modo de vida do crente da Antiga e da Nova Aliança – condicionadas à obediência e a fé.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.