Nem todo espírito é de Deus.

I João 4: 1-6
 “Amados, não creiais em todo espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo. Nisto conhecereis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus; e todo espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne não é de Deus; mas este é o espírito do anticristo, do qual já ouvistes que há de vir, e eis que está já no mundo. Filhinhos, sois de Deus e já os tendes vencido, porque maior é o que está em vós do que o que está no mundo. Do mundo são; por isso, falam do mundo, e o mundo os ouve. Nós somos de Deus; aquele que conhece a Deus ouve-nos; aquele que não é de Deus não nos ouve. Nisto conhecemos nós o espírito da verdade e o espírito do erro”.

Quem te colocou como juiz sobre nós?

Esse é o “chavão” que muitos “santinhos do pau oco”, que estão nas igrejas atrapalhando o seu saudável desenvolvimento, adoram “jogar na cara” dos crentes. Muitas pessoas que estão dentro das igrejas adaptaram o evangelho ao seu comportamento. Sim! Em vez de se adaptarem aos critérios da Bíblia distorcem a Escritura para que seus atos pareçam legais e, quando alguém os afronta, imediatamente usam esse argumento para calá-los. Quando o crente tem pouco conhecimento da Palavra de Deus, ele se cala mesmo, mas quando o crente está bem instruído com as sãs doutrinas da Bíblia Sagrada, ele se impõe. 

Jesus disse – “Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça”, e isto quer dizer que não só podemos como, também, temos o dever de julgar, desde que os parâmetros para o julgamento estejam consolidados com a Palavra de Deus. Nossa fé não pode em hipótese alguma nos transformar em pessoas ingênuas e compassivas com tudo e com todos. Já vos disse e voltamos a repetir – não podemos valorizar a pessoa em detrimento ao Evangelho de Cristo, ou seja, entre a Palavra de Deus e alguém, devemos sempre ficar com a Palavra.

Nestes últimos tempos as igrejas foram invadidas por um vagalhão de pregadores e cantores que nitidamente não tinham nenhuma unção ou autoridade espiritual para cantarem o que cantavam ou pregarem o que pregaram. Discursos e louvores que destoam descaradamente das doutrinas da Bíblia Sagrada e, quando são julgados pelos crentes, nos chamam de intolerantes e, sempre usam o versículo de numero um do capítulo sete do Evangelho de Jesus Cristo conforme escreveu Mateus para tentarem nos reprimir.

Ora, quem tem medo de receber julgamento, realmente não deve julgar, pois quem julga receberá julgamento na mesma medida que julgou, porém, quando julgamos com o discernimento de espírito e usando como parâmetro a justa Palavra de Deus, não estamos sendo intolerantes, mas apenas tentando preservar a sã doutrina.

O crente deve testar todos que, sendo cristãos professos, são mestres, escritores, pregadores e profetas, e mesmo todo indivíduo que afirma que sua obra ou mensagem provém do Espírito Santo. O crente nunca deve crer que certo ministério ou experiência espiritual é de Deus, somente porque alguém afirma isto. Além disso, nenhum ensinamento, nem doutrina, devem ser aceitos como verdadeiros somente por causa de sucesso, milagres, ou unção aparente da pessoa.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal – pag 1961

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.