A Igreja é a família de Deus.

Efésios 2: 19-22
 “Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos Santos e da família de Deus; edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina; no qual todo o edifício, bem-ajustado, cresce para templo santo no Senhor, no qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus no Espírito”.

A obra que Cristo realizou com Seu sacrifício na cruz, a de unificar a humanidade em um “só corpo”, nada tem a ver com o ecumenismo. O ecumenismo é um movimento falacioso cujo objetivo é a busca da unidade entre todas as igrejas cristãs. É um processo de entendimento que reconhece e respeita a diversidade entre as igrejas. A ideia de ecumenismo é exatamente reunir o mundo cristão. Em palavras que nos capacitam entender com mais facilidade o ecumenismo diz que “todo e qualquer caminho conduz ao céu”, pois, o respeitar a diversidade entre as igrejas aponta exatamente para isso, ou seja, todas as igrejas cristãs estão anunciando A VERDADE. A unificação que Jesus proporcionou não é a religiosa.

Quando fazemos um exame mais cauteloso da Palavra de Deus percebemos que no Antigo Testamento as nações estavam separadas de acordo com sua descendência – Sem, Cam ou Jafé. No Novo Testamento, mais propriamente no Livro de Atos, vemos essas três famílias unidas em Cristo. Em Atos 8, um descendente de Cam – o tesoureiro etíope – é salvo; em Atos 9, um descendente de Sem – Saulo de Tarso – torna-se o apóstolo Paulo; em Atos 10, os descendentes de Jafé – os gentios da casa de Cornélio, o centurião romano – são salvos. O pecado dividiu a humanidade, mas Cristo, pelo seu Espírito, promove a unidade. Todos os cristãos, independente da origem étnica, pertencem à nação santa e são cidadãos do céu – “Mas a nossa cidade está nos céus, donde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo”.

É importantíssimo lembrarmos que o que, agora, nos torna a família de Deus, não tem nenhuma relação com genética ou DNA, o único meio de nos tornarmos família de Deus é através da fé em Cristo, por meio dela passamos a fazer parte da família de Deus e Ele se torna nosso Pai. Essa família maravilhosa pode ser encontrada em dois lugares, “tanto no céu como sobre a terra” – “Por causa disso, me ponho de joelhos perante o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, do qual toda a família nos céus e na terra toma o nome”. Os crentes vivos estão aqui na terra; os crentes que morreram estão no céu. Não obstante a todas as distinções raciais, nacionais ou físicas que possuímos, somos todos irmãos e irmãs dentro dessa família.

O incomensurável amor de Deus não é algo que se explica pela teologia e, muito menos, se tomássemos todos os comentários que existem sobre esse amor, ainda assim não poderíamos compreender em sua plenitude. Todavia, medite nos vamos escrever: Nosso Deus anela pela reconciliação com o pecador, entretanto, Ele jamais anularia a Sua justiça para realizar isso, desta forma, Jesus “entra em cena” para ser o sacrifício pelos nossos pecados, revelando, desse modo, Seu amor e, ao mesmo tempo, cumprindo os preceitos que Sua justiça exige.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Comentário Bíblico Expositivo do Novo Testamento – Warren W. Wiersbe

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.