A realidade da injustiça e da iniquidade na Terra.

Isaías 59: 4
 “Ninguém há que clame pela justiça, nem ninguém que compareça em juízo pela verdade; confiam na vaidade e andam falando mentiras; concebem o trabalho e produzem a iniquidade”.

Satanás estava convencido da acusação que fez contra Jó. Sua convicção se fundamentava no fato de ele ser um conhecedor perspicaz das fraquezas humanas. Ora, afinal de contas, ele tinha convencido um terço dos anjos a seguirem seus passos quando ainda habitava o Céu, persuadir um reles ser humano cheio de falhas e limitações a murmurar contra Deus, na sua concepção, seria muito fácil. Satanás estava convencido de que destruiria a fé da qual Deus testemunho de Jó lhe infligindo sofrimentos.

Quanto à natureza pecaminosa dos seres humanos Satanás não está enganado. O homem (no sentido generalizado do termo), por si mesmo, jamais se voltará para Deus em busca de socorro, amparo, providência ou justiça. Há em nós um falso sentimento de poder que nos induz a buscar o que desejamos por nossos próprios meios. Somos iludidos a acreditar que podemos alcançar o que desejamos agindo apenas pelos nossos esforços, ou seja, somos induzidos a crer que por não praticarmos o mal, não seremos alcançados por nenhum mal; ironicamente cremos que se formos honesto com todas as pessoas, todos serão honestos conosco; enfim, cremos que a “lei da semeadura” só se aplica em acontecimentos ruins.

Encontramos evidências no livro de Jó que a sociedade da sua época era tão má quanto a hodierna. Claro que muitos problemas que enfrentamos atualmente são frutos dos tempos modernos, mas, de uma forma geral, os problemas são da mesma ordem, porém, creio, que com intensidades distintas e, problemas, sejam eles da ordem que forem, trazem sofrimentos como consequências.

O livro de Jó lida com estas questões e, diante destas questões, indubitavelmente surge uma pergunta que ecoa pelos séculos: “Se Deus é justo e amoroso, por que permite que um homem realmente justo, tal como Jó sofra tanto?” Sobre esse assunto o livro revela a seguinte verdade: Satanás, como adversário de Deus, teve permissão para provar a autenticidade da fé de um homem justo, por meio da aflição, mas a graça de Deus triunfou sobre o sofrimento, porque Jó permaneceu firme e constante na fé, mesmo quando parecia não haver qualquer proveito em permanecer fiel a Deus, ou seja, mesmo Jó sendo membro de uma sociedade corrompida, ele manteve-se irrepreensível em todas as acusações.

Satanás, indiscutivelmente se apoia neste texto de Isaías para tentar o homem, pois o texto aponta para pessoas que apesar de estarem envolvidas com suas religiões, mesmo assim se encontram numa situação em que suas atitudes denotam um ser moralmente injusto. A ideia do versículo é que toda a base das relações entre os homens estão irreversivelmente corrompidas. Vivemos uma sociedade onde a verdade e o juízo foram retirados e, por isso, o caos está estabelecido, contudo, ainda que Deus esteja em silêncio, todavia Ele não está inerte.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal.

Compartilhar

2 thoughts on “A realidade da injustiça e da iniquidade na Terra.

  • 3 de outubro de 2020 em 16:00
    Permalink

    Mensagem de grande proveito para o ensino. Deus te abençoe irmão cada vez mais. Que o Senhor nos capacite a entender que em tudo Deus tem propósitos, resta nos obedece- lo em todo o tempo, aceitando tanto os momentos bons como os ruins, pois em todos eles Deus está conosco e nos fortalece. Paz e Boa reflexão.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.