Um homem de caráter irrepreensível, testemunhado pelo próprio Deus.

Jó 1: 8
 “E disse o Senhor a Satanás: Observaste tu a meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente a Deus, e que se desvia do mal”.

Chegamos ao ponto em que a vida de Jó vai dar uma “guinada” de 360º sem que o próprio Jó entenda ou encontre alguma razão para isso. O próprio Deus faz Satanás “enxergar” algo que lhe estava oculto – “Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará”. O que estamos dizendo é que Satanás via Jó constantemente enquanto “perambulava” pela terra, no entanto, ainda que visse a Jó, ele (Satanás) sabia que um “escudo” intransponível e indestrutível protegia Jó constantemente, ele via Jó, mas não tinha poder algum para tentá-lo. Até aquele momento Jó tinha uma vida totalmente descansada no Senhor.

Temos sido ensinados desde os mais remotos tempos e, consequentemente, temos transmitido esse ensino adiante de que tentação e provação são testes que se distinguem em origem e propósito. Quando o teste for feito com o propósito malicioso de expor a fraqueza de alguém ou induzi-lo ao pecado, chama-se de tentação. Ora, vamos esclarecer algo sobre os dois termos, e segundo o dicionário bíblico Wycliffe – “Os termos em hebraico e grego para “tentar” (heb. massa, gr. peirazo, ekpeirazo) e “tentação” (heb. nasa, gr. peirasmos) podem, às vezes, ter o significado de “induzir ao pecado”, que tão fortemente colore nossas palavras em português “tentar” e “tentação”. Mas seu principal e predominante significado é o de “testar o valor e o caráter de homens”. Nesse sentido, os cristãos devem se examinar para se certificarem de que suas palavras e ações evidenciam que eles são crentes genuínos .

Deus usa os eventos da vida cotidiana para testar a professada fé e o caráter dos cristãos, O teste pode resultar em severos tormentos, tanto físicos quanto espirituais – “Foram apedrejados, serrados, tentados, mortos a fio de espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, desamparados, aflitos e maltratados”.  Deus usou severos fenómenos naturais – “E todo o povo viu os trovões, e os relâmpagos, e o sonido da buzina, e o monte fumegando; e o povo, vendo isso, retirou-se e pôs-se de longe”, as dificuldades das peregrinações pelo deserto – “E te lembrarás de todo o caminho pelo qual o Senhor, teu Deus, te guiou no deserto estes quarenta anos, para te humilhar, para te tentar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias os seus mandamentos ou não”, e a opressão das tribos cananeias para testar Israel – “Tampouco desapossarei mais de diante deles a nenhuma das nações que Josué deixou, morrendo; para por elas provar a Israel, se hão de guardar o caminho do Senhor, como seus pais o guardaram, para por ele andarem ou não”.

 Aos crentes não é prometida a ausência de provas, mas a força necessária para suportá-las – “Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que vos não deixará tentar acima do que podeis; antes, com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar”. O próprio Cristo, ao se tornar humano, passou por toda sorte de testes mentais e físicos – “Porque, naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados”.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Dicionário Bíblico Wycliffe

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.