Qual é a condição do homem?

Jó 25: 3-4
 “Porventura, têm número os seus exércitos? E para quem não se levanta a sua luz? Como, pois, seria justo o homem perante Deus, e como seria puro aquele que nasce da mulher?”

A diferença que há entre Deus e os seres espirituais que foram criados no que diz respeito à natureza espiritual é o fato de que os seres espirituais, como sabemos, podem se mover com extrema rapidez e, assim, podem ir de um lugar para o outro em frações de segundos, mas com o nosso Deus não é assim. O termo Onipresente significa que nosso Deus está em todos os lugares do universo criado por Ele, isto é, não existe um lugar, por mínimo que seja, onde a presença de Deus não possa penetrar.

Da Soberania de Deus, Myer Pearlman escreveu o seguinte – “Ele tem o direito absoluto de governar suas criaturas e delas dispor como lhe apraz – ‘E todos os moradores da terra são reputados em nada; e, segundo a sua vontade, ele opera com o exército do céu e os moradores da terra; não há quem possa estorvar a sua mão e lhe diga: Que fazes?’ Ele possui esse direito em virtude de Sua infinita superioridade, de Sua posse absoluta de todas as coisas, e da absoluta dependência delas perante Ele para que continuem a existir”. Desta maneira, tanto é insensatez, como transgressão, censurar os seus caminhos.

Do Poder de Deus, não podemos pensar que Deus faz tudo o que quiser de uma forma impensada. O Poder de Deus está inerentemente relacionado à Sua natureza, ou seja, ainda que Ele seja Todo-Poderoso, jamais fará algo que confronte Sua natureza, como, por exemplo: mentir.

Da Justiça de Deus podemos dizer que é a santidade de Deus manifestada na forma como Ele trata retamente com suas criaturas. E, Deus age com justiça, quando julga, não como o fazem os juízes modernos, que baseiam seu julgamento sobre a evidência apresentada perante eles por outrem. Deus mesmo descobre a evidência, desta forma, Ele livra o inocente, condena o ímpio. Deus não somente trata justamente como também requer justiça.

A justiça de Deus é decorrente de Sua natureza santa, pois “Deus é luz, e não há nEle treva nenhuma“. Uma vez que Deus é santo e justo, como é possível um simples ser humano afirmar ser justo diante dEle? Notemos que Jó se manteve inabalável na afirmação de sua integridade e se recusou a confessar pecados haviam levado Deus a julgá-lo.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Conhecendo as Doutrinas da Bíblia – Myer Pearlman
– Comentário Bíblico Expositivo do Velho Testamento – Warren W. Wiersbe

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.