Quem pode conhecer a verdadeira sabedoria de Deus?

Jó 11: 5-6
 “Mas, na verdade, prouvera Deus que ele falasse e abrisse os seus lábios contra ti, e te fizesse saber os segredos da sabedoria, que é multíplice em eficácia; pelo que sabe que Deus exige de ti menos do que merece a tua iniquidade”.

Em parte, a teologia de Zofar está certa, de fato, não recebemos de Deus o que as nossas iniquidades merecem, mas, isto é assim para que o nosso Deus manifestasse Sua Graça e Misericórdia. Entretanto, a maneira como Zofar colocou as palavras nos conduz ao entendimento de que tudo o que Jó estava passando não era nada diante do que ele merecia em razão dos seus pecados. O problema é que Zofar colocou sua acusação numa posição de verdade absoluta, só que sem nenhuma prova substancial. Ele simplesmente disse que, de fato, o sofrimento de Jó vem de Deus, mas a atitude de Jó mostra que a extensão do castigo que ele recebeu não está de acordo com o grau do seu pecado.

O Livro de Jó é uma “pérola de grande valor”. Aqueles que o examinam minuciosamente, claro que com o auxílio do Espírito Santo, compreendem “coisas grandes e firmes que não sabem”. Zofar neste discurso fala do amor de Deus sem compreendê-lo totalmente.

Dos atributos morais de Deus, o amor com que ele ama as pessoas é, talvez, o mais difícil de ser compreendido, haja vista, que o texto de João 3: 16 é recitado de forma mecânica sem que, quem o recita, tenha a plena compreensão do que o texto quer realmente demonstrar. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”, perceba que a ênfase do texto não está na quantidade de pessoas que Deus ama, mas a qualidade do amor com que Ele ama. Desta forma não adianta falar para o pecador que Deus o ama também, devemos mostrar para o pecador a “qualidade” do amor com que Deus o ama.

Nosso Deus demonstra Seu amor por nós de várias maneiras – protegendo-nos em todos os momentos de nossas vidas (guardando e livrando dos inúmeros perigos) e sustentando-nos em todas as nossas necessidades (dando-nos além do que precisamos), todavia, a forma suprema do amor de Deus, sua maior demonstração de amor, acha-se na cruz de Cristo.

Mas, esperem um pouco! Quando olhamos para os nossos dias e olhando para dentro das nossas igrejas, não é exatamente isso que está acontecendo? Temos dentro das igrejas uma quantidade absurda de “zofares” convivendo conosco, pior do que simplesmente conviver, estão ocupando funções essenciais para o bom desenvolvimento do “corpo”. E, como alguém que não conhece Deus pode falar de Deus? Como alguém pode querer dar o que não tem?

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Comentário Bíblico Beacon
– Teologia Sistemática – Stanley Horton

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.