O penhor do Espírito é a garantia da nossa herança.

Efésios 1: 13-14
 “Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa; o qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão de Deus, para louvor da sua glória”.

Impreterivelmente alguns assuntos concernentes ao processo da salvação tem que ser abordados constantemente nos ensinos para a edificação da igreja. É incrível a facilidade com que determinados assuntos, tal como o deste trimestre, são corrompidos. Corrompidos no sentido de não serem interpretados em conformidade com as doutrinas bíblicas. Os muitos segmentos religiosos e, uma grande maioria destes segmentos é oriunda de igrejas que sofreram divisões exatamente por causa da forma como se “enxerga” o que a Bíblia ensina, principalmente, neste assunto que diz respeito à salvação e a obra que o Espírito Santo executa.

Os muitos incrédulos que convivem conosco nas igrejas desprezam os ensinos bíblicos alegando que o que foi escrito, como, por exemplo, a carta que Paulo escreveu aos Efésios, exclusivamente para o povo daquele tempo. Não aceitam, em razão de não acreditarem, que a Bíblia é atemporal, ou seja, “Toda Escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça”, em qualquer época, a qualquer povo e de qualquer denominação que “vê” a Bíblia como regra de fé e prática. Por isso, há a necessidade de revermos periodicamente, alguns assuntos doutrinários a fim de evitarmos que todo o povo se corrompa espiritualmente. Como sempre dizemos, mudou-se o cenário, mudou-se os figurinos, mudou-se os personagens e o tempo evoluiu, mas o enredo da história se repete.

Paulo estava ensinando aos crentes de Éfeso o que tinha sido efetuado em cada um deles no exato momento em aceitaram o Evangelho da salvação. Parece absurdo o que vamos escrever, mas, uma enorme quantidade de crentes não sabe explicar ou não conseguem entender o processo da salvação. Evidentemente que ninguém precisa entender isso para ser efetivamente salvo, mas a questão é que sobre nós, agora salvos, pesa a responsabilidade de fazermos discípulos para Cristo, e como poderemos explicar o que Cristo faz na vida do pecador se nós mesmos não sabemos?

Paulo aponta para duas características fundamentais que o crente deve, depois de salvo e convertido, apresentar com o seu testemunho de vida. A primeira característica é a de estar selado pelo Espírito Santo e, este “selo”, muito mais importante do que garantir ser uma propriedade, ele aponta para a autenticidade de algo, ou seja, muito mais devemos nos gloriar em sermos crentes autênticos do que vangloriarmos em ter um “dono”. O que o Senhor espera é que além de estarmos felizes por pertencer a Ele, devemos viver, também, uma vida autentica de alguém que foi alcançado pela salvação.

A segunda característica é o penhor e, o penhor representa a garantia de um “negócio” que teve início e vai ser concluído, da parte de quem está penhorando. Porém a conclusão deste “negócio” só poderá ser efetuada seu ao chegar o dia da conclusão o crente estiver de posse do “penhor”.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.