Uma promessa para todos os crentes em todas as épocas e em todos os lugares.

Atos 2: 38-39
 “E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para perdão dos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo. Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos e a todos os que estão longe: a tantos quantos Deus, nosso Senhor, chamar”.

Antes de falarmos da promessa que alcança todos os crentes de todas as épocas, convém que elucidemos o que Pedro quis dizer no versículo 38. Indiscutivelmente Pedro não estava ensinando que o batismo é para perdão dos pecados, pois isso fere gravemente a sã doutrina da Palavra de Deus. Sabemos perfeitamente que o batismo nas águas serve apenas para testemunhar a experiência do novo nascimento. O contexto em que está inserida esta fala de Pedro indica que seus ouvintes eram judeus crentes (varões religiosos, v 5). Homens que, possivelmente, eram zelosos quanto aos dogmas religiosos, zelavam pela tradição e costume, todavia, não sabiam o que significava, de fato, o batismo. A resposta que Pedro deu ao que lhe foi perguntado (Que faremos varões irmãos?) foi precisa – “Arrependei-vos!” Entretanto, as sequencias das palavras colocadas por Pedro tem causado grande confusão até aos dias de hoje – batismo para perdão dos pecados?

E, embora, não esteja explicitamente declarado no texto, mas, a forma como Pedro coloca as palavras nos conduz a interpretar que o que ele quis dizer foi que o primeiro passo para o perdão dos pecados é o arrependimento com confissão e, consequentemente, os que estão verdadeiramente arrependidos procurarão dar testemunho da nova criatura que são através do batismo. “Que faremos?”- Ora, a resposta de Pedro foi uma síntese do que lhes era necessário: arrepender para que pudessem receber o Espírito Santo e logo em seguida, se possível fosse, serem batizados.

Por outro lado, Broadman escreve dizendo que Pedro estaria se referindo ao batismo de Jesus e não ao de João, a hipótese, nesse caso, seria a do batismo no Espírito Santo, pois, afinal de contas, o batismo no Espírito Santo era a essência da conversa. O “que faremos” quer dizer o que era necessário para que eles pudessem receber o que eles viram os discípulos receberem – “Notamos também uma semelhança notável entre a pregação de João Batista e a resposta de Pedro à multidão inquiridora. As diferenças, indubitavelmente, são óbvias. O batismo é em nome de Jesus Cristo, e não mais um rito provisional, como o batismo administrado por João. O ritual cumprido por João, com água, prognosticava o dom do Espírito, enquanto o novo batismo era associado com a vinda do Espírito.”

Dissipada a “confusão”, então partimos para outro ponto imprescindível na vida do crente. A promessa que visava alcançar “os que estão longe”, foi cumprida! Nós, nos tempos modernos, ao aceitarmos Jesus como nosso Salvador, fomos alcançados pela promessa – recebemos o dom do Espírito Santo (não confundir com os dons), aqui, o dom se aplica à presença do Espírito Santo nos enchendo constantemente.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Novo Testamento, Comentários Broadman.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.