Não despreze o dom de Deus.

I Timóteo 4: 14
 “Não desprezes o dom que há em ti, o qual te foi dado por profecia, com a imposição das mãos do presbitério”.

Mas o que tenho, isso te dou” – quando Pedro fez essa declaração para aquele coxo na porta Formosa, ele não estava falando de algo que ele tinha conquistado por si mesmo e, muito menos se referia a bens materiais. Pedro estava na iminência de compartilhar com aquele necessitado algo de extremo valor para a vida de qualquer pessoa – a salvação em Cristo Jesus. “O que tenho” não aponta para as coisas que alguém possui, antes, se refere ao poder concedido ao crente fiel para realizar a obra de Deus com eficiência. Se Pedro tinha ou não dinheiro nos bolsos para doar aquele homem não vem ao caso, o ponto crucial desta passagem é a intenção dele em compartilhar o maior tesouro que ele recebera.

A principal finalidade dos estudos deste trimestre é conscientizar todos os crentes que os dons são dádivas que Deus concede a fim de nos capacitar de forma sobrenatural para que possamos realizar a propagação do evangelho, o genuíno evangelho, com ousadia e intrepidez. A ousadia, neste caso, não está relacionada em afrontar os homens e seus conceitos, mas em confrontar aberta e claramente o reino das trevas. Ser ousado, neste sentido, significa não temer as consequências pregando a verdade. Trabalhar com ousadia e intrepidez é não sentir-se acuado diante de circunstâncias que tendem a se levantar como obstáculos diante de nós com o objetivo de impedir o exercício de nosso ministério.

Devemos atentar para o contexto em que está inserida a orientação que Paulo dá a Timóteo – “Não desprezes o dom que há em ti”. No versículo anterior Paulo recomenda que Timóteo adquira o conhecimento, mais profundo que puder, da Palavra de Deus e, isso, é uma evidência do que temos falado sobre os dons espirituais – o dom não transforma o crente em super-crente. Nenhum dom do Espírito vai capacitar o crente a ter um profundo conhecimento da Palavra de Deus se este não a ler. Sem dúvida alguma, o Espírito Santo nos ajuda na interpretação, mas ler para nós isso Ele não faz.

Paulo está orientando Timóteo dizendo que é impossível para um pastor ensinar o rebanho (neste caso a igreja) a fazer algo que ele mesmo não faz. É impossível que alguém possa ensinar como chegar a um determinado lugar sem nunca ter percorrido o trajeto e, mesmo diante de tanta tecnologia na presente era, onde temos o GPS para nos orientar nas rotas, o GPS não mostra a realidade do caminho na hora em que estamos percorrendo. O GPS pode até nos avisar de radares, acidentes, congestionamentos entre outras coisas, mas não mostra os buracos e outros inconvenientes que estão nela. Fazendo uma aplicação no plano espiritual, muitas pessoas pensam que podem chegar ao Céu pelo “GPS” (Gente que Pensa que Sabe).

É um grande estímulo saber que Deus não apenas nos chama, mas também nos capacita para sua obra. Não temos em nós mesmos coisa alguma que nos capacite lhe servir. Não devemos, porém, ser passivos, mas sim cultivar os dons de Deus, usá-los e desenvolvê-los onde quer que Deus nos coloque”. (W. W. Wiersbe)

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Comentário Bíblico Expositivo do Novo Testamento – Warren W. Wiersbe

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.