Paulo, apóstolo de Jesus Cristo.

I Timóteo 1: 1
 “Paulo, apóstolo de Jesus Cristo, segundo o mandado de Deus, nosso Salvador, e do Senhor Jesus Cristo, esperança nossa”.

Em função de as cartas de Paulo serem os escritos mais antigos do Novo Testamento, e uma vez que ele usa o termo “apóstolos” mais que qualquer outro autor do Novo Testamento, todas as investigações históricas da origem, significado e importância da palavra “apóstolo” devem começar com suas cartas. Todavia, para que não se pense que o conceito de apóstolo se originou em Paulo, deve se ressaltar que ele mesmo escreve sobre “os que já eram apóstolos antes dele” – “Nem tornei a Jerusalém, a ter com os que já antes de mim eram apóstolos, mas parti para a Arábia e voltei outra vez a Damasco”.

Se há algo que Paulo faz questão de ressaltar em suas cartas que está relacionado ao seu apostolado, é o caráter e a autoridade desse ministério em sua vida. O encontro de Paulo com Jesus na estrada para Damasco conferiu a Paulo a autoridade do Senhor sobre as igrejas gentílicas.  Evidentemente que não encontramos na Bíblia nenhum relato dizendo que nesse encontro o Senhor Jesus tenha “ungido” Paulo para o apostolado, entretanto o Senhor Jesus sabia que o perseguidor era um valiosíssimo vaso na obra para a expansão do Evangelho do Reino. Alguém escreveu que “para Paulo, o apostolado não é algo que se possa comprovar apresentando-se alguma credencial exclusiva, mas pelos frutos daqueles que o exercem”.

Evidentemente não queremos ser pretensiosos ao ponto de afirmar categoricamente que o número de apóstolos no tempo de Jesus eram apenas doze e, isso é pelo simples fato de que o Senhor Jesus, provavelmente, teve contato com outras pessoas além do que nos é relatado na Bíblia. Geralmente as pessoas pensam que o número de discípulos do Senhor Jesus se resumia em apenas doze, ora, os doze eram os que estavam mais próximos dEle. Em Lucas encontramos o seguinte – “E depois disto designou o Senhor ainda outros setenta, e mandou-os adiante da sua face, de dois em dois, a todas as cidades e lugares aonde ele havia de ir”. Assim, da mesma forma, julga-se que o numero de apóstolos se resume em doze, mas devemos estar cientes de que todo assunto que aponta para a obra de Deus, a única coisa que podemos afirmar com convicção é que há somente um Senhor e Deus.

De maneira alguma, estamos dando margem para algum julgamento sobre o que escrevemos em artigos anteriores sobre o ministério apostólico atualmente. Não estamos mudando de opinião. Dentro da nossa singela opinião, o ministério apostólico se encerrou com a morte de João e, hoje, o trabalho missionário é o que mais se assemelha ao trabalho dos apóstolos. Todavia, não queremos fazer disso um cabo de guerra, pois esse tipo de informação não acrescenta nem diminui nada em nossa salvação e, se alguém apresentar um argumento bíblico irrefutável de que o ministério apostólico ainda está em atividade, não nos resta outra atitude a não ser a de aceitar os fatos.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Dicionário Teológico do Novo Testamento.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.