Deus concede sabedoria àqueles que pedem.

Tiago 1: 5
 “E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e não o lança em rosto; e ser-lhe-á dada”.

De acordo com os registros bíblicos, Salomão era o décimo filho de Davi e o segundo de Bate-Seba com o rei, pois o primeiro morreu, como castigo pelo pecado de adultério e homicídio de Urias, marido dela. A história de como os filhos mais velhos de Davi morreram antes de subirem ao trono ocupa boa parte do relato da vida e morte deste rei. Assim, esse material justifica a legitimidade da escolha de Salomão como sucessor de Davi, apesar de não ser o filho mais velho. Os relatos da escolha de Salomão e sua coroação em Crônicas e Reis enfatizam duas perspectivas diferentes. Em I Crônicas, sua coroação foi feita de forma solene e pública, demonstrando que ele é o sucessor de Davi divinamente escolhido. Essa, porém, não é a visão de I Reis, a qual descreve uma cerimônia realizada às pressas e sem qualquer preparativo prévio. Em Crônicas mostra o que aconteceu publicamente, quando Salomão foi feito rei “pela segunda vez” e, em I Reis o que realmente aconteceu para que Salomão herdasse o trono de Davi.

O reinado de Salomão começou com alianças poderosas e uma grande construção civil na capital – “E Salomão se aparentou com Faraó, rei do Egito, e tomou a filha de Faraó, e a trouxe à Cidade de Davi, até que acabasse de edificar a sua casa, e a Casa do Senhor, e a muralha de Jerusalém em roda”. Ele se dedicou ao serviço do Senhor – “E Salomão amava ao Senhor, andando nos estatutos de Davi, seu pai…”. Numa viagem que o rei Salomão empreendeu até ao norte de Jerusalém, mais precisamente em Gibeão, o Senhor apareceu-lhe em sonho e permitiu que escolhesse o que desejava receber. Salomão solicitou “um coração entendido”, o qual é o centro da vontade de Deus. Ter um bom entendimento significa possuir um coração que ouve a Palavra de Deus e responde em obediência. Ele também precisava ouvir e atender às necessidades dos súditos.

Salomão especificou o pedido com uma referência à habilidade de discernir “entre o bem e o mal”. Nesse contexto, isso significa mais do que o conhecimento do certo e do errado e, isso envolve a habilidade de captar a essência de um problema e entender exatamente o que se passava na mente das pessoas ao redor. Envolve a habilidade de reagir bem diante das situações mais difíceis e governar com sabedoria.

A resposta de Deus foi aprovadora. Era a coisa correta a pedir. Em vez de pedidos egoístas, como longevidade, riqueza ou segurança, Salomão solicitou algo que era apropriado ao seu chamado como governante do povo de Deus. Por esta razão o Senhor alegremente lhe concedeu discernimento e acrescentou bênçãos adicionais que Salomão não pedira. Uma condição, entretanto, foi apresentada junto com as bênçãos: “Se andares nos meus caminhos, e guardares os meus estatutos e mandamentos, como andou Davi, teu pai”. Era a única coisa que Salomão precisava fazer.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
 – Quem é Quem na Bíblia Sagrada – Paul Gardner

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.