A Bíblia revela a pessoa de Jesus Cristo, o Filho de Deus.

João 20: 30-31
 “Jesus, pois, operou também, em presença de seus discípulos, muitos outros sinais, que não estão escritos neste livro. Estes, porém, foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome”.

A Bíblia Sagrada declara que Jesus é Deus. Este é o alicerce da nossa fé e da máxima importância para a nossa salvação. Se Cristo não fosse Deus, não poderia ter feito a expiação pelos pecados do mundo. A divindade de Jesus Cristo é demonstrada pelos seguintes fatos: primeiro, os nomes divinos são atribuídos a Ele, nas Escrituras; segundo, o culto divino é prestado a Cristo; terceiro, as funções divinas são atribuídas a Cristo; quarto, o Novo Testamento atribui a Cristo declarações do Antigo Testamento referentes a Jeová; quinto, o nome de Jesus Cristo está associado com o de Deus Pai; sexto, sua impecabilidade e sua santidade dão testemunho da sua divindade e, por fim, foi declarado Filho de Deus pela sua ressurreição.

Dos nomes divinos atribuídos a Ele, temos: Deus – “… dos quais são os pais, e dos quais é Cristo, segundo a carne, o qual é sobre todos, Deus bendito eternamente. Amém!”; o Filho de Deus – “E disseram todos: Logo, és tu o Filho de Deus? E ele lhes disse: Vós dizeis que eu sou”; o Primeiro e o Último – “E eu, quando o vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; eu sou o Primeiro e o Último”; o Santo – “Mas vós negastes o Santo e o Justo e pedistes que se vos desse um homem homicida”; Senhor de todos e Senhor da glória – “A qual nenhum dos príncipes deste mundo conheceu; porque, se a conhecessem, nunca crucificariam ao Senhor da glória”.

O culto divino é prestado a Cristo e Ele sendo Deus o recebe, assim como as orações lhe são dirigidas – “E apedrejaram a Estêvão, que em invocação dizia: Senhor Jesus, recebe o meu espírito”.

Das funções divinas que são atribuídas a Cristo, temos: criador do universo – “E ao anjo da igreja que está em Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus”; preservador de todas as coisas – “E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele”; perdoador dos pecados – “E Jesus, vendo-lhes a fé, disse ao paralítico: Filho, perdoados estão os teus pecados”; juiz de todos os homens – “Conjuro- te, pois, diante de Deus e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, na sua vinda e no seu Reino”; doador da salvação – “Na verdade, na verdade vos digo que aquele que creem mim tem a vida eterna”.

Das declarações que o Novo Testamento faz, referindo-se a Cristo como Jeová, do Antigo Testamento, temos:  o salmista declara que – “O Senhor é o meu pastor; nada me faltará” e, o próprio Senhor Jesus diz que – “Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas”. Também, O nome de Jesus Cristo está associado com o de Deus Pai – “Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”.

Sua impecabilidade e Sua santidade dão testemunho da Sua divindade. Estas provas conclusivas da divindade de Cristo significam que o crente deve portar-se diante de Cristo, exatamente da mesma maneira que se porta diante de Deus Pai.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal (Extraído e adaptado)

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.