A obra de Cristo na Cruz do Calvário nos resgatou da maldição da Lei.

Gálatas 3: 13-14
 “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós, porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro; para que a bênção de Abraão chegasse aos gentios por Jesus Cristo e para que, pela fé, nós recebamos a promessa do Espírito”.

Visto que somos incapazes de compreender as coisas divinas, ainda que estejam reveladas em toda a extensão da Bíblia Sagrada, encontramos no Antigo Testamento Deus falando das glórias celestiais através de coisas terrestres, isto é, o Senhor fez uso de figuras e símbolos para mostrar, por meio de coisas terrestres as coisas espirituais. É o que denominamos TIPO e ANTI-TIPO. Tipo e Anti-Tipo é o estudo das figuras e símbolos da Bíblia, com os quais Deus procura levar o homem ao pleno conhecimento de Seus propósitos. Nossa compreensão do Anti-Tipo fica mais clara quando conhecemos o Tipo.

A morte física de Jesus, de forma impressionante, está evidenciada, inquestionavelmente, dentro e fora da Bíblia. Não obstante, a morte do Senhor Jesus tenha sido cruel e horrenda, não deve provocar em nós sentimentos de revolta contra os judeus e romanos, ainda que eles tenham sido os promotores e executores daquela horrível crucificação, todavia, tudo aquilo já estava “previsto” acontecer e, pasmem alguns, tudo para nos beneficiar.

Antigo Testamento predisse que o Messias morreria – “E sobre a casa de Davi e sobre os habitantes de Jerusalém derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspassaram; e o prantearão como quem pranteia por um unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito”, e que Jesus cumpriu as profecias do Antigo Testamento sobre o Messias – “Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam”.

Jesus anunciou muitas vezes durante o seu ministério que Ele ia morrer e ressuscitar e, todas as predições da ressurreição, tanto no Antigo Testamento – “Pois não deixarás a minha alma no inferno, nem permitirás que o teu Santo veja corrupção” – quanto no Novo Testamento, estão baseadas no fato de que Ele morreria. Só um corpo morto pode ser ressuscitado.

Considerando que Jesus verdadeiramente morreu na cruz, a evidência que Ele ressurgiu, de fato, dos mortos consiste no sepulcro vazio e nas numerosas aparições. Ainda que o sepulcro vazio não seja, em si e de si mesmo, prova da ressurreição, é condição prévia indispensável para as evidências (as aparições físicas de Cristo). Até as próprias aparições físicas não seriam prova convincente que Jesus ressuscitou se o seu corpo estivesse apodrecendo em alguma sepultura.

Cada Evangelho fornece uma cena do sepulcro vazio e, em cada caso, eles vêem um sepulcro desocupado, e em cada caso houve a aparição de anjos para confirmar que “Ele não está aqui, porque já ressuscitou”.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal.
– Teologia Sistemática vol. 1, Norman Geisler

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.