O Evangelho de Cristo é a única mensagem divinamente inspirada.

Gálatas 1: 8
 “Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema”.

Uma das coisas que mais causa admiração na pessoa do apóstolo Paulo é a sua sensatez quanto à realidade. Sem a menor sombra de dúvida, após a sua conversão e, de fato, foi uma verdadeira conversão, Paulo é o maior e melhor exemplo, da era cristã, para aqueles que querem servir a Cristo com fidelidade e integridade. Não obstante a esta qualidade, Paulo sempre esteve consciente da sua fragilidade humana e que a sua natureza humana corrompida, embora latente, poderia se manifestar caso não fosse perseverante. Temos, em nossos dias, inúmeros exemplos de homens e mulheres que no inicio de seus ministérios eram pessoas devotadas e zelosas com a obra de Deus, mas com o decorrer do tempo se extraviaram.

É claro que a advertência de Paulo aos crentes da Galácia, se referia aos falsos mestres que se apresentaram na igreja trazendo “novo ensino”, entretanto, Paulo queria deixar bem claro que sua advertência era contra os falsos ensinos. A igreja deveria estar atenta quanto ao que estavam aprendendo. “Outro Evangelho” consistia não somente em crer em Cristo, mas também ligar-se à fé judaica mediante a circuncisão, as obras da lei e a guarda dos dias santos judaicos. Ou seja, o sacrifício de Jesus, de acordo com os falsos ensinos, não é suficiente para perdoar o homem dos seus pecados, porém, a Bíblia afirma claramente que há um só evangelho, “o evangelho de Cristo”.

Este evangelho nos veio “pela revelação de Jesus Cristo” e pela inspiração do Espírito Santo. O evangelho é definido e revelado na Bíblia, a Palavra de Deus. Quaisquer ensinos, doutrinas, ou ideias que, originados em pessoas, igrejas ou tradições, e que não estejam expressos ou subentendidos na Palavra de Deus, não podem ser incluídos ou associados com o evangelho de Cristo. Misturá-los com o conteúdo original do evangelho é “transtornar o evangelho de Cristo”.

A palavra “anátema” significa algo ou alguém que está sob maldição divina, sendo assim, malditos (“anátema”) são todos que pregam um evangelho contrário à mensagem que Paulo pregava de acordo com a revelação que Cristo lhe dera. Quem acrescenta ou tira algo do evangelho original e fundamental de Cristo e dos apóstolos, fica sujeito à maldição divina: “Deus tirará a sua parte do livro da vida“.

Deus ordena aos crentes a defenderem a fé – “Amados, procurando eu escrever-vos com toda a diligência acerca da comum salvação, tive por necessidade escrever-vos e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos”, a corrigirem os errados com amor – “Instruindo com mansidão os que resistem, a ver se, porventura, Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade e tornarem a despertar, desprendendo-se dos laços do diabo, em cuja vontade estão presos” e a se separarem dos mestres, pastores e outros que na igreja negam as verdades bíblicas fundamentais, ensinadas por Jesus e os apóstolos.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal (Extraído e adaptado)

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.