Um tesouro em vaso de barro.

2 Coríntios 4: 7
 “Temos, porém, esse tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós”.

A preciosa mensagem da salvação em Jesus Cristo, que tem um valor supremo, foi confiada por Deus a nós, seres humanos frágeis e falíveis. A ênfase de Paulo, porém, não estava no recipiente perecível, mas em seu conteúdo de valor inestimável — no poder de Deus que habita em nós. Mesmo sendo fracos, Deus nos usa para transmitir suas Boas Novas e nos dá poder para fazer a sua obra. Ter a consciência que o poder é de Deus, e não nosso, deve nos afastar do orgulho e nos motivar a manter nosso contato diário com Ele, nossa fonte de poder. Nossa responsabilidade é deixar que as pessoas conheçam a Deus por nosso intermédio e que possam vê-Lo em nós (no nosso modo de viver).

O crente é apenas um “vaso de barro” que, não rara às vezes, passa por tristezas, lágrimas, aflições, perplexidades, fraquezas e temores. Todavia, o crente não é derrotado pelas intempéries da vida por causa do “tesouro” celestial que nele está. Biblicamente, o cristianismo não é a eliminação da fraqueza, nem meramente a manifestação do poder divino através da fraqueza humana. Isto significa que em toda aflição podemos ser mais do que vencedores mediante o poder e o amor de Deus – “Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou”, e que nossas fraquezas, aflições e sofrimentos, nos tornam totalmente receptivos à graça abundante de Cristo, e permitem que a Sua vida seja manifesta em nossos corpos.

Os versículos 8 e 9 do capítulo 4 da Segunda carta aos Coríntios, são extraordinariamente gloriosos na sua compreensão.  Se, de fato, experimentamos a presença de Cristo e o seu poder em nossa vida, absolutamente nenhuma aflição, perturbação, enfermidade ou tragédia provocará nossa derrota espiritual. Quando as circunstâncias exteriores se tornam insuportáveis e nossos recursos humanos se esgotam, os recursos divinos nos são dados, para aumentar e desenvolver nossa fé, esperança e força. Deus não abandonará seus filhos fiéis, em nenhuma circunstância – “Sejam vossos costumes sem avareza, contentando-vos com o que tendes; porque ele disse: Não te deixarei, nem te desampararei”.

Nosso corpo perecível está sujeito a pecar e sofrer, mas Deus nunca nos abandona. Por Cristo ter vencido a morte, temos a vida eterna. Todos os nossos riscos, humilhações e provas são oportunidades que Jesus nos proporciona para demonstrar Seu poder e Sua presença em nós e por nós. Adotar este estilo de vida não é um trabalho fácil e certamente nos desgasta fisicamente, porém, se não desanimarmos, interiormente, nosso espírito vai se renovando. Tudo o que vemos está destinado a passar e já está passando. Só o que não se vê dura para sempre. Por isso, não devemos trabalhar pelo que se pode ver, mas, por aquilo que não se vê.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal.
– Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.