A oração em forma de verdadeiras ações de graças.

Êxodo 15:20-21
 “Então, Miriã, a profetisa, a irmã de Arão, tomou o tamboril na sua mão, e todas as mulheres saíram atrás dela com tamboris e com danças. E Miriã lhes respondia: Cantai ao Senhor, porque sumamente se exaltou e lançou no mar o cavalo com o seu cavaleiro”.

Da mesma forma como nós, pais, ficamos entristecidos pelo fato de sermos lembrados, pelos filhos, apenas nos momentos em que eles se encontram em dificuldade, assim, o nosso Deus se sente quando nos dirigimos a Ele apenas nos momentos de apertos com uma ‘lista’ de pedidos nas mãos. Infelizmente o conceito do termo “oração” tem sido deturpado no decorrer do tempo e, com isso, hoje, muitas pessoas pensam que orar a Deus é apenas fazer pedidos a Ele. Como temos comentado nesta semana, a oração é, também, uma forma de confissão, adoração e ação de graças.

Embora, isso não seja declarado abertamente pelas pessoas, muito provavelmente, alguns crentes não oram como deveriam orar pelo simples fato de saberem que Deus é onisciente. “Ora, se Deus sabe da minha necessidade, então não há razão para ficar ‘incomodando’ o Senhor. No tempo dEle, vou ser atendido”. O crente fiel jamais deve pensar desta forma, mesmo porque é o próprio Senhor quem nos instiga a orar com insistência e persistência. Antes de tudo, Deus ordena que o crente ore – “Buscai o Senhor e a sua força; buscai a sua face continuamente”.

Deus aspira a comunhão conosco e, mediante a oração, mantemos o nosso relacionamento com Ele. A oração é o elo de ligação que carecemos para recebermos as bênçãos de Deus, o seu poder e o cumprimento das suas promessas. Numerosas passagens bíblicas ilustram esse princípio. Jesus, por exemplo, prometeu aos seus seguidores que receberiam o Espírito Santo se perseverassem em pedir, buscar e bater à porta do seu Pai celestial – “E eu vos digo a vós: Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á; porque qualquer que pede recebe; e quem busca acha; e a quem bate, abrir-se-lhe-á”.

Muitos podem não dar crédito ao que escreveremos, mas, se não orarmos, poderemos até mesmo estorvar a execução do propósito divino da redenção, tanto para nós mesmos, como indivíduos, quanto para a igreja coletivamente. Jesus declarou que sem as orações dos santos, há determinadas obras que se tornam ineficientes – “Então, disse aos seus discípulos: A seara é realmente grande, mas poucos são os ceifeiros. Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande ceifeiros para a sua seara”. Isto é, o poder de Deus para cumprir muitos dos seus propósitos é liberado somente através das orações contritas do seu povo em favor do seu reino.

O simples fato de pessoas se dizendo crentes realizarem um culto, não é nenhuma garantia de que haja aí verdadeira adoração, nem que Deus aceite seu louvor e ouça suas orações.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

OBS: II Samuel 23:1-7 é o outro texto bíblico sugerido para a leitura de hoje.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.