Quem ama o dinheiro nunca se farta.

Eclesiastes 5:10
 “O que amar o dinheiro nunca se fartará de dinheiro; e quem amar a abundância nunca se fartará da renda; também isso é vaidade”.

O dinheiro e a abundância de bens terrenos não dão, por si, sentido à vida e, portanto, não podem promover a verdadeira felicidade. Geralmente, o trabalhador honesto, ao chegar à sua casa depois de um dia normal de trabalho, dorme tranquilo, enquanto o rico não consegue conciliar o sono, temeroso que alguma calamidade, ou falha de sua parte, arruíne tudo o que tem. Mas, mesmo sem qualquer prejuízo, o rico nada levará consigo ao morrer. É de lastimar que tantas pessoas trabalhem tanto para enriquecer, quando o principal é acumular tesouros no céu.

A principal razão de corrermos afoitamente atrás de riquezas (sejam muitas ou poucas) está no fato de sempre querermos mais do que temos. Salomão, neste versículo, observou que aqueles que gastam sua vida procurando obsessivamente ganhar dinheiro, nunca encontram a felicidade que vislumbram nele. As riquezas atraem interesseiros e ladrões, causam insônia e medo e acabam em perda, porque tudo que juntamos aqui deve ser deixado quando morremos – “E os discípulos se admiraram destas suas palavras; mas Jesus, tornando a falar, disse-lhes: Filhos, quão difícil é, para os que confiam nas riquezas, entrar no Reino de Deus!”

Não importa o quanto recebemos de salário, se tentarmos alcançar a felicidade acumulando riquezas, nunca teremos o suficiente. O dinheiro em si não é bom nem ruim, mas amar o dinheiro leva uma pessoa a toda sorte de pecado. Qualquer que seja a nossa situação financeira, não devemos depender do dinheiro para ser feliz. A Bíblia diz que é para usarmos o que temos para a glória do Senhor!

A Bíblia identifica a busca insaciável e avarenta pelas riquezas como idolatria, a qual é demoníaca – “Mortificai, pois, os vossos membros que estão sobre a terra: a prostituição, a impureza, o apetite desordenado, a vil concupiscência e a avareza, que é idolatria”. Por causa da influência demoníaca associada à riqueza, a ambição por ela e a sua busca frequentemente escravizam as pessoas.

As riquezas são, na perspectiva de Jesus, um obstáculo, tanto à salvação como ao discipulado. Transmitem um falso senso de segurança, enganam e exigem total lealdade do coração. Quase sempre os ricos vivem como quem não precisa de Deus. Na sua luta para acumular riquezas, os ricos sufocam sua vida espiritual, caem em tentação e sucumbem aos desejos nocivos, e daí abandonam a fé. Geralmente os ricos exploram os pobres. O crente não deve, pois, ter a ambição de ficar rico.

Que fique bem esclarecido que ambição é algo totalmente distinto de ser bem sucedido, neste caso, o crente não pode ser ambicioso, mas sem duvida alguma, se for fiel a Deus será bem sucedido na vida.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal.
– Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.