Não julgue.

Lucas 6:37
 “Não julgueis, e não sereis julgados; não condeneis, e não sereis condenados; soltai, e soltar-vos-ão”.

O título da lição desta semana é muito apropriado quanto ao que deve ser falado com os alunos na EBD. Devemos ter muita cautela quando expressamos certas opiniões a respeito de alguém. Atentem diligentemente para o que está escrito – TER CAUTELA – Dizer que o crente não deve, sob hipótese alguma, fazer qualquer tipo de julgamento implica em impor ao crente a ‘OBRIGAÇÃO’ de aceitar, sem o direito de se opor ou reclamar, qualquer coisa que lhe seja apresentada. Aplicar a Palavra de Deus no sentido literal das palavras que foram traduzidas para o português é um grave erro, devemos nos fundamentar indo em busca do sentido ao que o termo está aplicado.

Da forma como fomos ensinados sobre a questão de fazer julgamento alheio, éramos terminantemente proibidos e severamente advertidos quando fazíamos um julgamento, principalmente se fosse em relação aos que exerciam alguma função de liderança na igreja. Os lideres das igrejas sempre foram vistos como pessoas intocáveis. Eram os “ungidos” do Senhor. Porém, como está escrito – “Porque nada há encoberto que não haja de ser manifesto; e nada se faz para ficar oculto, mas para ser descoberto”, começou-se a perceber que os “ungidos”, na verdade, eram apenas ‘untados’ e, mesmo assim, não poderiam receber nenhum tipo de julgamento do rebanho.

O que Jesus está condenando é o hábito de criticar os outros, sendo nós mesmos faltosos. O crente deve primeiramente submeter-se ao justo padrão de Deus, antes de pensar em examinar e influenciar a conduta de outros crentes. Em outras palavras, o que Jesus condena é a nossa atitude em julgar alguma coisa que o irmão esteja fazendo, quando nós mesmos estamos praticando algo muito pior. Jesus não está aqui abolindo a necessidade do exercício do discernimento e de fazermos avaliação dos pecados dos outros, mas que devemos ser cautelosos quando isso for necessário.

Neste mesmo capítulo (7), Lucas no versículo 15 escreve que – “Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores”, ou seja, o crente é ordenado a identificar (através do senso crítico) falsos ministros dentro da igreja e avaliar o caráter de certas pessoas. A isso damos o nome de que? JULGAMENTO.

Jamais devemos usar a Palavra de Deus como desculpa para a omissão do exercício da disciplina na igreja. Quando o ensino de Cristo é deturpado, os crentes são levados a transigir com o pecado e, como consequência, essa igreja deixará de ser um povo santo de Deus. Onde não pode haver julgamento, consequentemente não haverá disciplina.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.