Imitando o divino mestre na arte de viver.

1 Coríntios 11:1; Efésios 5:1,2; 1 Tessalonicenses 1:6,7
 “Sede meus imitadores, como também eu, de Cristo”.
 “Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados; e andai em amor, como também Cristo vos amou e se entregou a si mesmo por nós, em oferta e sacrifício a Deus, em cheiro suave”.
 “E vós fostes feitos nossos imitadores e do Senhor, recebendo a palavra em muita tribulação, com gozo do Espírito Santo, de maneira que fostes exemplo para todos os fiéis na Macedônia e Acaia”.

Sem nenhum sentimento arrogante, Paulo, foi, sem dúvida alguma, um grande exemplo para os crentes de sua época e, indiscutivelmente, continua sendo para os crentes hodiernos. O crente é chamado para seguir o exemplo de Cristo e tornar-se semelhante a Ele. Mas, afinal, em que consiste a nossa semelhança com Cristo? Semelhança com Cristo é, antes de tudo, amar a Deus e ao próximo. O amor do crente por Deus motiva e dirige o seu amor pelo próximo, assim como o amor de Cristo pelo Pai estava sempre acima de tudo.

O amor de Jesus pelo homem tem base e dependência no amor que Ele tem pelo Pai – “Eu neles, e tu em mim, para que eles sejam perfeitos em unidade, e para que o mundo conheça que tu me enviaste a mim e que tens amado a eles como me tens amado a mim”. O amor de Jesus Cristo pelo Pai é visto no seu zelo pela glória de Deus – “Eu glorifiquei-te na terra, tendo consumado a obra que me deste a fazer”; no zelo em realizar a vontade de Deus – “Jesus disse-lhes: A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra”; pela Palavra de Deus ensinada – “Dei-lhes a tua palavra, e o mundo os odiou, porque não são do mundo, assim como eu não sou do mundo. Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal. Não são do mundo, como eu do mundo não sou. Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade”; e, pela comunhão íntima com Deus – “Para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu, em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste”.

Assim como os filhos imitam os pais, devemos seguir o exemplo de Deus. Seu grande amor por nós levou-O a sacrificar-se para que pudéssemos viver. Nosso amor por nossos semelhantes deve ser da mesma espécie — um amor que vai além do afeto, que é capaz de sacrificar-se em benefício dos outros. O amor de Jesus Cristo pelo homem é visto na sua compaixão demonstrada, na sua bondade, nas suas lágrimas, na sua humildade, na sua beneficência, na sua mansidão, no seu perdão, na sua paciência e na sua misericórdia – “Mas vós, amados, edificando-vos a vós mesmos sobre a vossa santíssima fé, orando no Espírito Santo, conservai a vós mesmos no amor de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo, para a vida eterna”.

Todos nós devemos responder ao evangelho como fizeram os irmãos de Tessalônica- converteram-se a Deus e passaram a servi-lo esperando ansiosamente pela volta de seu Filho, Jesus Cristo, do céu. Devemos ser fervorosos em nosso serviço, porque temos pouco tempo antes da volta de Cristo.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal.
– Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.