O aspecto moral do divórcio.

Malaquias 2:15
 “E não fez ele somente um, sobejando-lhe espírito? E por que somente um? Ele buscava uma semente de piedosos; portanto, guardai-vos em vosso espírito, e ninguém seja desleal para com a mulher da sua mocidade”.

A mensagem de Malaquias transmite de forma clara o castigo divino sobre Israel por causa do seu pecado contumaz e, enfatiza a promessa divina de que, num dia futuro, quando os judeus se arrependessem, o Messias seria revelado e as promessas de Deus se cumpririam. Ele foi o último profeta do cânon bíblico usado pelo Senhor, como instrumento para advertir o povo da condição espiritual e social em que se encontravam. Depois disso, Deus se ‘calou’ (nenhuma profecia foi pronunciada) por mais de 400 anos, durante os quais as palavras de condenação de Malaquias ecoaram nos ouvidos do povo. Só no final desse período surgiu outro profeta, João Batista, com uma mensagem de Deus: “Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus“.

Apenas um século depois de Neemias realizar uma reforma religiosa, o ritual religioso vazio havia tornado o coração dos judeus insensível ao grande amor de Deus por eles e levado tanto o povo quanto os sacerdotes a se esquecerem da lei do Senhor, tanto a lei cerimonial religiosa quanto a lei civil. Malaquias chama a atenção para a instituição original do casamento, por meio do qual Deus torna duas pessoas uma só carne e lembra o povo que Deus criou apenas uma mulher para o homem. Apesar de ter o poder vivificador do Espírito e a capacidade de criar várias esposas para Adão, Deus fez apenas uma companheira para o primeiro homem a fim de gerar a “descendência que prometera”.

A poligamia, o divórcio e o casamento com mulheres idólatras eram práticas destrutivas para a geração de um remanescente fiel na linhagem do Messias prometido. A segurança que serve de base para a vida piedosa dos filhos só pode ser encontrada no lar em que pai e mãe são fiéis aos votos matrimoniais. Tendo em vista as ameaças à instituição divina fundamental do casamento, Malaquias insiste para que nenhum marido seja infiel à sua esposa.

No versículo 15 do capítulo 2 (acima), Malaquias está condenando uma prática que tinha se tornado habitual entre os judeus – eles estavam divorciando das mulheres judias para casarem com as pagãs. Isso ocorreu na época em que Neemias teve que se ausentar de Jerusalém, o povo havia prometido não permitir que seus filhos se casassem com pagãos, mas durante a ausência de Neemias, o povo havia se casado com pagãos, quebrando a promessa solene que haviam feito a Deus. O severo tratamento aplicado por Neemias a estas pessoas contrasta sua profunda fidelidade a Deus e a negligência, desobediência, e infidelidade do povo.

Qualquer inclinação ao pecado deve ser rapidamente reconhecida e tratada; caso contrário, ela pode nos dominar e derrubar. Uma das mais fortes razões para se ler a Bíblia é aprender com os erros cometidos pelos seus personagens.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal.
– Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal.
– Bíblia de Estudo MacArthur.

Compartilhar

Erivelton Figueiredo

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.