Deus se deu a conhecer ao mundo.

Hebreus 1:1
 “Havendo Deus, antigamente, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos, nestes últimos dias, pelo Filho…”

Sempre digo que, nesta vida, muitas coisas se explicam somente pela fé. E, quando nos referimos à fé, não estamos apontando para o significado espiritual, pois, concernente à natureza humana, todos tem a sua fé. Cada um acredita naquilo que quer. Até mesmo aqueles que são materialistas ou ateístas possuem uma fé na proporção ao que conhecem. Ao contrário do que muitas pessoas julgam, o ateísta, de certo ponto de vista, às vezes, possui mais fé que muitos crentes. O ateísta defende sua ‘fé’ com “unhas e dentes” e, não é raro encontrarmos crentes que não sabem, ao menos, o significado do batismo nas águas.

O materialismo é a doutrina filosófica que diz que as únicas coisas que existem são substâncias materiais. Os fenômenos mentais, a consciência, as sensações e os sentimentos são explicados como modificações da substância material sem envolver elementos da mente ou espirituais.

Os materialistas afirmam que a única coisa que existe é a matéria, e que a mesma depende da nossa capacidade de detecção pelos sentidos, ou por instrumentos que aprimoram a nossa percepção. Porém, se contradizem quando os místicos recebem imagens visuais (visões) que eles interpretam como não-materiais. Os materialistas negam que possa existir qualquer coisa sem extensão, mas, quando eles tentam definir essa extensão, não apresentam argumentos convincentes. E mesmo que eles pudessem apresentar-nos um argumento bem alinhavado acerca da existência exclusiva da matéria, não haveria razão para aceitarmos tal argumento como uma plena e infalível descrição da realidade.

Dar uma definição exata do termo “ateísmo” é meio complicado, não pelo fato de ele não ter um significado certo, mas pela amplitude que o termo se aplica. Basicamente definimos ateísmo como sendo a descrença na existência de Deus. Mas, essa descrença, na doutrina ateísta é ampliada para a descrença em um deus, Deus ou deuses específicos, a descrença em conceitos que os homens têm de deus, Deus ou deuses. Ou então, é a negação de qualquer realidade sobrenatural. E, dentro deste conceito, os pagãos viam os crentes da igreja primitiva como sendo ateus, pois, estes não acreditavam nos outros deuses.

A doutrina ateísta possui muitas ramificações e, cada uma, possui uma definição especifica onde a negação que haja um Deus é assegurada pelo raciocínio lógico. Por exemplo: o ateísmo naturalista. Não há tal coisa como algo fora da natureza, e na natureza não encontramos deus, Deus ou deuses. Não há o sobrenatural, pelo que não há Deus, em termos convencionais; o ateísmo politeísta. Se há uma multidão de deuses, então não há um verdadeiro Deus em contraste com deuses falsos. Pois, para nós, Deus indica um ser distinto de todos os outros seres, muito mais elevado.; e, o ateísmo absoluto. Deus não existe, sob qualquer definição. Não há deus (ou Deus) na terminologia sofisticada da teologia ou da filosofia. Toda ideia de Deus é vã.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal.
– Enciclopédia de Champlin, vol. 1 e 4

Compartilhar

Erivelton Figueiredo

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.