Deus se revela graciosamente ao ser humano.

Gênesis 12:1-3
 “Ora, o Senhor disse a Abrão: Sai-te da tua terra, e da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome, e tu serás uma bênção. E abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra”.

Refutar as doutrinas do ateísmo e do materialismo não é uma tarefa tão simples como muitas pessoas imaginam. Não é somente tentar convencê-los da existência de Deus. Os seguidores destas doutrinas não podem ser encarados simplesmente como “não crentes”, eles creem firmemente no que aprenderam e estabeleceram como verdade, ao ponto de possuírem uma fé inabalável. Na mesma proporção em que nós (crentes) não conseguimos entender como alguém pode ser adepto do ateísmo, o ateísta não consegue compreender como alguém pode ser adepto do teísmo.

A melhor e a infalível forma de provar que o ateísmo e o materialismo não passam de mera filosofia é usando a Bíblia como base para a argumentação. Evidentemente, que não estamos dizendo que, citando versículos, iremos convencê-los da verdade, mas expondo de maneira compreensível as doutrinas bíblicas, principalmente a doutrina de Deus.  A Bíblia não procura oferecer-nos qualquer prova racional quanto à existência de Deus. Pelo contrário, ela já começa tomando a sua existência como pressuposição básica – “No princípio, Deus”. Deus existe! Ele é o ponto de partida.

Mas como está escrito – “Disseram os néscios no seu coração: Não há Deus. Têm-se corrompido, fazem-se abomináveis em suas obras, não há ninguém que faça o bem”, sempre houve e sempre haverá os que não acreditam que haja um Deus, mesmo que diante de seus olhos – “Os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos”. Deus se tornou conhecido mediante o seu ato de criar e de sustentar tudo quanto existe. Ele dá vida, alento alimento e alegria.

Crer na existência de Deus não é resultado do caráter humano, mas da revelação que Deus fez de Si mesmo. A revelação divina é progressiva na sua natureza à medida que Deus foi se revelando através dos registros bíblicos. A existência de Deus e a sua atividade contínua não dependem do Seu relacionamento com qualquer outro deus, ou criatura. Pelo contrário, nosso Deus pode simplesmente “ser”, optando por chamar o homem a estar ao seu lado (não porque Ele precisasse de Adão, mas porque este precisava de Deus).

Quando os seres humanos criam um sistema de crenças segundo seus próprios desígnios, tal sistema não tende a se desenvolver em direção ao monoteísmo, mas, sim, à crença em vários deuses. A tendência é cair no sincretismo, acrescentando-se a este deidades recém-descobertas ao conjunto das que já são adoradas.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal.
– Bíblia de Estudo Pentecostal.
– Teologia Sistemática, Stanley Horton

Compartilhar

Erivelton Figueiredo

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.