As cláusulas de exceção no divórcio segundo o Novo Testamento.

Mateus 5: 32 / 1 Coríntios 7:10,11
 “Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de prostituição, faz que ela cometa adultério; e qualquer que casar com a repudiada comete adultério”.
 “Todavia, aos casados, mando, não eu, mas o Senhor, que a mulher se não aparte do marido. Se, porém, se apartar, que fique sem casar ou que se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher”.

Já escutei alguns irmãos da igreja comentando que os assuntos das lições bíblicas estão se repetindo com muita frequência. Bom…, se não houvesse necessidade de se falar constantemente sobre o mesmo assunto, provavelmente, o Espírito Santo já teria trazido para nossa edificação outros assuntos. Acontece que, da mesma forma com que Israel e Judá persistiram em se desviar dos preceitos de Deus, a igreja (com exceção dos remanescentes) está caminhando sobre as mesmas pegadas deles. O Senhor advertiu solenemente Israel sobre seus pecados, no entanto, não deram ouvidos a voz do Senhor, por isso o Espírito Santo tem advertido solenemente a igreja sobre os pecados praticados pelos seus membros, a fim de que nenhum se perca.

Falar constantemente sobre o mesmo assunto ou bater insistentemente sobre a mesma tecla tem por fim conduzir quem ouve e aprende a andar pelo caminho da verdade, ainda que não seja um praticante contumaz dela, pelo menos está consciente de que está em falta. Embora ter consciência da condição em que se encontra não a torna inculpável, todavia, esta é, sem dúvida, uma pessoa com maior facilidade de ser convencida dos seus pecados.

Provavelmente, a grande maioria das pessoas que estão nas igrejas, quando ouvem alguma mensagem ou ensino sobre o divorcio à luz da Bíblia, se sentem incomodadas. Não no sentido de que estão implicando com elas por serem divorciadas, mas, no sentido de estarem “perdendo” seu tempo na igreja, já que, no fim de tudo, Deus não as terá por inocentes. Eu gosto de pensar como Davi falou no Salmo 51 – Deus é justo em todo o tempo e o tempo todo. Um pecado não pode servir de justificativa para um comportamento. Não podemos agir como Adão – fugir da presença de Deus.

Nosso Deus disse através do profeta Isaías que – “… ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã”, mas, para isso acontecer, devemos nos aproximar cada vez mais dEle e não fugir da Sua presença. Desta forma, o divorciado, embora tenha feito algo que seja enfaticamente repudiado pelo Senhor, não deve, sob hipótese alguma, se distanciar dEle, muito pelo contrário, aproxime-se, agarre-se a Ele com mais determinação e dedicação, para que assim, como Moisés escreveu – “Se o Senhor se agradar de nós, então, nos porá nesta terra e no-la dará, terra que mana leite e mel

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal.
– Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal.

Compartilhar

Erivelton Figueiredo

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.