A eficácia da salvação é demonstrada na vitória sobre as tentações.

Imagem relacionadaHebreus 2: 18
Porque, naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados

Nós, muitas vezes, incorremos num erro gravíssimo, no percurso da nossa jornada rumo ao céu. Não é por que somos, antecipadamente, avisados dos percalços e dos embates que, inevitavelmente, vem, que temos que enfrenta-los sozinhos com a cara e a coragem. Fomos avisados de que os problemas surgiriam, mas, o Senhor não disse que era para batalharmos só. Aliás, a Bíblia ensina que quem se isola, se levanta contra a sabedoria.

A tentação é um “teste” a que os crentes são submetidos pelo diabo. Deus não tenta a ninguém. Dentre as várias maneiras de sermos tentados, existem quatro que devemos dar uma atenção mais redobrada, pois delas, dependem a obtenção de uma vida plenamente santificada diante do nosso Deus. Querendo ou não, seremos sempre tentados, e, para isso, devemos estar constantemente preparados. As quatro tentações que devemos estar mais vigilantes, são:
– Testar nosso nível do conhecimento da Palavra de Deus – o diabo não chega de supetão tentando qualquer um e a qualquer momento, primeiro ele estuda o “terreno”, para depois lançar as tentações. A Palavra de Deus nos orienta a sermos bons manejadores da Palavra de Deus, e, nesse sentido, o manejar não indica, apenas, sermos bons oradores ou eloqüentes pregadores, mas, que tenhamos um profundo e correto conhecimento doutrinária dela. Um dos motivos da queda de Eva foi a falta do conhecimento preciso da Palavra de Deus, e, não vamos discutir agora de quem é a culpa, o fato é, que o diabo percebeu sua deficiência e alcançou o objetivo que almejava. O diabo é astuto e não vai distorcer a Palavra de Deus, aberrantemente, para um crente, ele vai usar a mesma estratégia que usou com Jesus, vai tentar nos convencer a tentar Deus usando textos fora dos contextos.
– Testar nossa fidelidade a Deus e a Sua Palavra – o crente quando tentado, seja qual for o tipo de tentação, deve recusar toda e qualquer proposta, não por que pertence a igreja “A” ou igreja “B”, mas única e exclusivamente por que é um, agora, filho (mesmo que adotivo) de Deus. Quando a nossa recusa se dá por causa da nossa religião, o diabo continua insistente na sua tentação, mas, quando ouve de nós que o motivo da recusa é a nossa condição de filho de Deus, ele foge de nós. Não estou dizendo que, não seremos mais tentados por ele, mas que esta tentação foi infrutífera.
A nossa fidelidade a Palavra de Deus deve ser inabalável e indestrutível, ou cremos com toda convicção que a Bíblia é a Palavra de Deus ou não cremos. A nossa fé nela não pode ser parcial. Paulo não disse que “quase” toda a Escritura divinamente inspirada é proveitosa, mas, afirmou com veemência que TODA ELA tem um fim proveitoso em nossa vida. Por ser a Palavra de Deus, ela é fiel e digna de aceitação.
– Testar nossa fé – a sustentação da nossa fé não está nas bênçãos que recebemos, não cremos porque recebemos, pelo contrário, cremos porque sabemos que nosso Deus não falha e que não faltará com nenhuma das suas promessas. Mesmo diante disso, o diabo sempre lançará dúvidas em nosso coração a respeito do caráter de Deus. Sempre vai estar colocando em questionamento o amor de Deus por nós.

Enfim, quando formos tentados, devemos estar cientes de que Deus jamais permitirá que sejamos tentados além do que podemos suportar e que, em todas as tentações, sempre estaremos amparados por Jesus.

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Erivelton

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.