A Palavra de Deus é viva e eficaz.

Imagem relacionadaHebreus 4: 12
Porque a palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais penetrante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até à divisão da alma, e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.”

Agostinho de Hipona não estava sentado em um banco de igreja e muito menos ouvindo um sermão onde o pregador, insistentemente, convidava os ouvintes ao arrependimento dos seus pecados, quando se converteu. Agostinho de Hipona, ainda jovem, já tinha uma vida promíscua, vivia na companhia de amigos que incentivavam a viver um estilo hedonista, onde o prazer está acima de qualquer valor ou dogma. Em seus próprios relatos, Agostinho escreveu que nesta fase da sua vida, orou da seguinte forma: “Senhor, conceda-me castidade e continência, mas não ainda”. Então, no verão do ano de 386, após ouvir uma história que o deixou extremamente consternado, Agostinho sentou-se no jardim da casa de um amigo e ouviu como se uma criança lhe dissesse repetida vezes: “tomar e ler”. Agostinho entendeu que aquilo era um comando divino para abrir a Bíblia, abri-la e ler a primeira coisa que encontrasse, e assim ele o fez, e deparou-se com o seguinte texto na carta de Paulo aos Romanos: “Andemos dignamente, como em pleno dia, não em orgias e bebedices, não em impudicícias e dissoluções, não em contendas e ciúmes; mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e nada disponhais para a carne no tocante às suas concupiscências.” Não foi preciso nenhum teólogo lhe explicar o que acabara de ler. A clareza do texto é tão evidente que não há a necessidade de interprete ou profeta, ele fala por si só.

George Müller nasceu em 1805, de pais que não conheciam a Deus. Com a idade de dez anos, foi enviado a uma universidade, a fim de preparar-se para pregar o Evangelho, não, porém, com o alvo de servir a Deus, mas para ter uma vida cômoda. Gastou todo seu tempo e dinheiro numa vida desregrada de vícios e promiscuidade. Aos vinte anos de idade, houve uma completa transformação na vida desse moço. Ele assistiu a um culto onde os crentes, de joelhos, pediam que Deus fizesse cair sua bênção sobre a reunião. Retomou os estudos e, depois de abandonar sua vida de vícios, para andar com Deus, chegou a reconhecer o erro, mais ou menos universal, de ler muito acerca da Bíblia e quase nada da Bíblia. Esse livro tornou-se a fonte de toda a sua inspiração e o segredo do seu maravilhoso crescimento espiritual. Ele mesmo escreveu: “O Senhor me ajudou a abandonar os comentários e a usar a simples leitura da Palavra de Deus como meditação. O resultado foi que, quando, a primeira noite, fechei a porta do meu quarto para orar e meditar sobre as Escrituras, aprendi mais em poucas horas do que antes durante alguns meses”.

Ao ler a Bíblia, ao assistir às reuniões de oração, e ouvir os sermões, percebi que não me achava pronto a entrar nos céus… Fiquei impressionado especialmente com o fato de as orações dos crentes, semana após semana, não serem respondidas. Li na Bíblia “pedi e dar-se-vos-á”. Li, também, que Deus é mais pronto a dar o Espírito Santo aos que lho pedirem, do que os pais terrestres a darem boas coisas aos filhos. Ouvia os crentes pedirem um derramamento do Espírito Santo e confessarem, depois, que não o receberam. Exortavam uns aos outros a se despertarem para pedir, em oração, um derramamento do Espírito de Deus e afirmavam que assim haveria um avivamento com a conversão de pecadores… Foi num domingo de 1821 que assentei no coração resolver o problema sobre a salvação da minha alma e ter paz com Deus. (…) Fui vencido pela convicção do grande pecado de eu envergonhar-me se alguém me encontrasse de joelhos perante Deus, e bradei em alta voz que não abandonaria o lugar, nem que todos os homens da terra e todos os demônios do inferno me cercassem. O pecado parecia-me horrendo, infinito. Fiquei quebrantado até o pó perante o Senhor. Nessa altura, a Palavra de Deus me iluminou: ‘Então me invocareis, e ireis, e orareis a mim, e eu vos ouvirei’. E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes de todo o vosso coração”. Charles G. Finney (1792-1875)

Poderia me extender neste texto a falar de muitos outros nomes que tiveram profundas experiências com a Palavra de Deus. Pessoas que tiveram suas vidas completamente transformadas pelo poder restaurador da Bíblia. Cada palavra deste maravilhoso Livro tem o poder de impactar a vida de quem o lê. Cada palavra deste extraordinário Livro pode determinar o destino de quem o examina. O Autor deste magnífico Livro, não se preocupa, em momento algum, fazer uma biografia de sua vida, pois, cada Palavra deste sublime Livro, imprime e atesta, em quem o lê com diligencia, a sua existência e poder.

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Fonte: Wikipédia

Compartilhar

Erivelton

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.