O Líder Supremo que, como pastor, conduzirá o povo de Israel.

Mateus 2: 6
E tu, Belém, terra de Judá, de modo nenhum és a menor entre as capitais de Judá, porque de ti sairá o Guia que há de apascentar o meu povo de Israel.”

Falar da pessoa do Senhor Jesus, por mínimas que sejam as palavras, demonstra que não existe outro assunto que seja de suma importância como os que envolvem a pessoa de Cristo e Seus feitos. Se existe algum tema que seja do interesse comum de toda a humanidade, só pode ser o que se acerca da obra e pessoa do nosso Senhor Jesus Cristo. Nenhuma notícia pode ser tão alvíssara quanto as que anunciam o que Cristo fez, faz e quer fazer pelo homem perdido. Longe de mim tentar expor o que Jesus representa na minha, na sua ou na nossa vida, nesse minúsculo artigo. Sendo Ele a Pessoa mais formidável da qual podemos falar, seriam necessários milhares de gigabytes de memória para suportar tudo o que se pode escrever a respeito dEle, e ainda assim, o assunto não se esgotaria.

Aprendi e sempre ensinei que a figura da ovelha, nos representando como sendo o rebanho de Cristo, o Bom Pastor, tem implicações sobre a natureza dócil, terna, submissa e obediente do animal, porém, existe uma característica, que é essencial, sobre a ovelha que poucos ensinam sobre ela – a ovelha, segundo os ensinamentos bíblicos, é um animal destinado ao sacrifício. E, se existe um sacrifício que, como servos de Deus, estamos destinados a ele, é o de ter uma vida em obediência a voz do Nosso Bom Pastor.

Da mesma forma que o Bom Pastor conhece individualmente cada ovelha do Seu aprisco, fazendo a distinção entre a natureza do balido dos cabritos e o das ovelhas, as ovelhas devem conhecer profundamente a voz do Bom Pastor. Como ovelhas, devemos estar conscientes de que sem a voz do Bom Pastor para nos ensinar o caminho em que devemos andar, estamos irremediavelmente perdidos e verdadeiramente desamparados. Desta forma, quando nos colocamos na total dependência de Cristo, o Bom Pastor, estamos sacrificando o nosso “eu”.

O Nosso Bom Pastor, não somente conhece as peculiaridades de cada ovelha, mas, antes de se colocar como o Bom Pastor, Ele se fez “Cordeiro”, assim, Ele não somente sabe das necessidades do rebanho, Ele conhece intimamente e individualmente cada uma destas necessidades.

Guiar um rebanho não é ficar do púlpito determinando tarefas – façam isso, façam aquilo, façam assim, façam hoje, etc. e, esperar que sejam trazidos os resultados, antes, guiar um rebanho é andar junto com ele. Guiar não é se colocar a frente do rebanho e ir indicando o caminho sem se preocupar com as condições com a qual o rebanho está caminhando. 

O Bom Pastor declarou que nenhuma das OVELHAS que lhe estão confiadas se perderá. E, naquele grande dia, Ele chamará cada uma pelo próprio nome e a apresentará diante do Pai, dizendo: “Eis aqui … o João, o José, o Sebastião, a Joana, a Maria, … … ei-los aqui, não foi fácil a jornada, mas estão aqui, e deles Eu testifico que estão irrepreensíveis”

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.