Espírito, alma e corpo conservados irrepreensíveis na Vinda de Jesus.

I Tessalonicenses 5: 23
E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.”

Ao contrário do que muitos pensam, o pecado não é meramente um empecilho no nosso progresso da vida cristã, o pecado é, acima de tudo, algo que ofende profundamente a Deus e um severo insulto ao Seu Santo Nome. O pecado é como faca de dois gumes, por um lado entristece o Espírito Santo de Deus e, por outro, faz com que os demônios exultem. O pecado rompe instantaneamente qualquer laço de comunhão com o Senhor, e, isso é uma porta aberta para o declínio, em todas as esferas da vida do homem, salvo se for tratado imediatamente. Apesar de ser um assunto “arquivado” dentro de algumas igrejas, o pecado é um assunto de extrema importância na vida do crente.

A santificação é uma obra diária que durará enquanto houver vida. Aqueles que estão lutando contra tentações diárias, vencendo as próprias inclinações pecaminosas e buscando santidade do coração e do caráter, não fazem nenhuma orgulhosa proclamação de santidade, porque são famintos e sedentos de justiça. O pecado, aos seus olhos, parece-lhes excessivamente pecaminoso.

A verdadeira santificação é uma inteira conformidade com a vontade de Deus. Pensamentos e sentimentos de rebelião são vencidos, e à voz de Jesus suscita uma nova vida, que penetra todo o ser. Aqueles que são verdadeiramente santificados não ostentarão sua própria opinião como uma norma do bem ou do mal. Não são fanáticos, nem de justiça-própria, mas zelosos de si, sempre tementes, com medo de que, havendo-lhes faltado uma promessa, tenham ficado aquém do cumprimento das condições sobre que se baseiam as promessas.

Muitos dos que professam santificação ignoram inteiramente a obra de graça sobre o coração. Quando provados, descobre-se serem semelhantes ao fariseu, justo aos próprios olhos. Não admitirão nenhuma contestação. Põem de lado a razão e o juízo, e confiam completamente em seus sentimentos, baseando suas pretensões à santificação nas emoções que em algum tempo experimentaram. São teimosos e perversos em incutir suas tenazes pretensões de santidade, proferindo muitas palavras, mas não produzindo nenhum fruto precioso como prova. Essas pessoas, professamente santificadas, estão, não somente enganando seu coração por suas pretensões, como também, exercendo uma influência para desviar a muitos que desejam ardentemente conformar-se com a vontade de Deus.

Renúncia própria, sacrifício pessoal, benevolência, bondade, amor, paciência, magnanimidade e confiança cristã são os frutos diários produzidos por aqueles que estão verdadeiramente ligados com Deus.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.