O apóstolo fala da vinda de Jesus de forma experiencial, não fantasiosa.

II Pedro 1: 16
Porque não vos fizemos saber a virtude e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, seguindo fábulas artificialmente compostas, mas nós mesmos vimos a sua majestade

Aquilo que aprendemos é também aquilo que ensinamos. O que vai marcar a vinda do Senhor Jesus é a ressurreição dos mortos (salvos) e o arrebatamento da Igreja, neste evento, Ele não se fará visível para o mundo, mas, apenas para os Seus. Qualquer outro ensino que, por mínimo que seja, destoa deste, deve ser considerado anátema, mesmo que seja um anjo que esteja ensinando. Um cronograma para este evento está determinado e todos os salvos são conhecedores dele, portanto, não há razão para nos demovermos da nossa fé naquilo que as Sagradas Escrituras, antecipadamente, já nos asseguraram.

A parábola desta semana, que é tema do nosso estudo, é a parábola das dez virgens. Como eu, creio que muitos já ouviram as mais “interessantes” interpretações sobre ela, contudo, esta parábola só tem uma mensagem a transmitir – Jesus virá e muitos dos que estão dentro das igrejas serão surpreendidos. Surpreendido, aqui, deve ser entendido como alguém que não está devidamente preparado para seguir com o noivo. A parábola requer uma análise muito mais profunda e minuciosa da que vamos fazer aqui. Serei sucinto para não entediar os leitores(as).

O número dez (virgens) não quer dizer uma quantidade exata, mas expressa uma quantidade total, a plenitude de um grupo que pode variar o numero de membros. Quando o Senhor Jesus dividiu o grupo das virgens em metades iguais, Ele não quis dizer que sempre será assim, mas ao expressar que metade das virgens estavam descuidadas, Ele afirma que há um número muito expressivo no meio dos crentes que estão agindo como as virgens néscias. ISSO É UMA ADVERTÊNCIA, NÃO É UMA PROFECIA. Quando somos advertidos, o único desejo do Senhor é que corrijamos o que está errado. É nossa responsabilidade fazer essa correção.

Não vamos especular aqui sobre as razões das néscias terem agido daquela forma, sabemos que existem muitas coisas que, no cotidiano, podem e fazem com que relaxemos com os cuidados da nossa vida cristã. Somos enlevados a todo tempo por atividades fúteis e, em alguns casos, até nocivas ao estilo de vida que agora vivemos, por isso, somos instados a vigiar e orar. Vigiar não implica em estar vinte e quatro horas com os olhos arregalados, antes, quer dizer que precisamos estar precavidos.

Todas as dez virgens adormeceram, mas somente cinco delas adormeceram precavidas. Estas estavam aguardando o noivo o tempo todo, pois suas lâmpadas, além de estarem cheias, elas tinham azeite em reserva para abastecê-las.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.