Quem trabalha para o Senhor pode ter certeza que será recompensado.

I Coríntios 15: 58
Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor.”

O que derruba muito crente bom, é fundamentar a fé em promessas como esta do texto. Não que eu duvide que o nosso Deus possa, se quiser, tornar-nos muito mais prósperos além do que somos, mas com toda certeza não é dessa recompensa que o nosso Senhor está falando no versículo acima. O que nosso Deus está garantindo é que todo aquele que trabalha para Ele, independentemente, do tipo e tempo de trabalho, não será esquecido, ao Seu tempo o Senhor o recompensará. Mas que tipo de recompensa é essa? É a curiosidade de alguns. Eu digo sempre que qualquer coisa que venha de Deus, é sempre para o nosso bem.

Na parábola dos talentos, nós vemos a benignidade de Deus sendo demonstrada através da concessão que Ele faz a todos os servos sem fazer acepção. O Senhor, mormente conhece seus servos e, indubitavelmente, está ciente da capacidade de cada um, contudo, Ele não fez acepção excluindo o servo que Ele já sabia ser inútil. Da mesma forma que concedeu oportunidade aos servos bons, Ele concedeu ao inútil. As incumbências foram distribuídas conforme a capacidade de cada um.

Tal qual a parábola, o que temos sempre no meio dos crentes, são dois grupos de pessoas que servem a Deus, embora todos estejam servindo a Deus, um grupo quer servir a seu modo e não conforme o Senhor quer que sirvamos, e assim, fazem tudo em conformidade com o conceito que estabeleceram da obra e do Senhor da obra. A parábola dos talentos faz alusão a crentes, fala de pessoas que conhecem ao Senhor e que estão, de uma forma ou de outra, inseridas no contexto da salvação. Não estou dizendo que todos serão salvos, mas, sim, que todos estão ávidos por ela.

Os estudos das parábolas deste último trimestre de 2018, foram muito propícios para nos alertar acerca da nossa condição diante do Senhor da obra. Oxalá que alguns crentes despertassem da letargia espiritual em que se encontram e corrigissem seu comportamento para com a obra que o Senhor lhe confiou realizar. Em uma coisa podemos nos estribar – Deus jamais nos colocaria em alguma situação de vexame, ou seja, jamais seríamos chamados para realizar algo que estivesse além da nossa capacidade. Nós é que, pela própria prepotência, nos intrometemos em assuntos que são inescrutáveis, são conhecimentos maravilhosíssimos, tão altos que não podemos alcançar.

Nosso trabalho só é recompensado quando é feito para o Senhor.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.