Não ter um conceito elevado de si mesmo.

Romanos 12: 3
Porque, pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não saiba mais do que convém saber, mas que saiba com temperança, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um.”

Não existe nada mais desastroso do que um crente que se acha o “PhD” em todos os assuntos inerentes a Palavra de Deus. Ele sabe hebraico, aramaico, grego e latim; conhece todos os costumes e tradições das antigas civilizações bíblicas e extra bíblicas; conhece a história de todos os povos e civilizações; conhece os costumes das pessoas nos tempos de Jesus; sabe os nomes de todos os personagens bíblicos, inclusive os que a Bíblia não cita. Tal crente sabe tudo sobre homilética, hermenêutica, exegese, teologia, filosofia, escatologia, doutrinas e dogmas, mas quando o assunto é a história do Brasil ou o conhecimento gira entorno da língua portuguesa, é um verdadeiro fracasso.

Não estou insinuando com esta introdução que não devemos buscar conhecimento seja bíblico ou não, entretanto, somos advertidos pela Bíblia a permanecermos naquilo que esteja no limite da nossa capacidade. Não podemos aspirar uma posição que esteja além da nossa capacidade de exercê-la. Parece que estou ainda falando a respeito do assunto da semana passada, mas não. Quando reconhecemos nossa limitação, estamos agindo com humildade e sabedoria. Que significado teria alguém fazer uma faculdade de medicina, por exemplo, e nunca exercer a profissão. Que valor tem de receber um título se não executa a profissão? Eu vejo alguns irmãos fazendo cursos de professores de EBD, mas nunca se dispuseram a trabalhar de fato, a responsabilidade, entra ano e sai ano, está sempre sobre as costas dos mesmos irmãos. O que nos leva a entender que tais irmãos só almejam carregar o título de professor de EBD.

As parábolas estudadas neste último trimestre, são, em sequência, uma resultado da outra, desta forma, a parábola a ser estudada nesta semana, é resultado do que aprendemos e colocamos em prática da parábola da semana passada. Por maiores que sejam os talentos que o Senhor nos confiou, jamais devemos exercê-los com arrogância ou prepotência, pois, nunca devemos nos esquecer de que tais talentos não foram “conquistados” por nós, antes, foram concedidos por Deus; não são nossos, são para o uso específico para a expansão da obra de Deus, bem como, para a edificação da igreja de Cristo.

Apesar de todas as funções que alguém possa exercer na igreja do Senhor, isso não o torna maior ou melhor do que os outros. Da perspectiva de Deus, independente da função que cada um exerça, todos são ovelhas.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.