Os sacrifícios do Tabernáculo tipificam o sacrifício perfeito de Cristo.

Hebreus 9: 1-9
Ora, também a primeira tinha ordenanças de culto divino, e um santuário terrestre. Porque um tabernáculo estava preparado, o primeiro, em que havia o candelabro, e a mesa, e os pães da proposição; ao que se chama o santuário… … Ora, estando estas coisas assim preparadas, a todo o tempo entravam os sacerdotes no primeiro tabernáculo, cumprindo os serviços; Mas, no segundo, só o sumo sacerdote, uma vez no ano, não sem sangue, que oferecia por si mesmo e pelas culpas do povo; Dando nisto a entender o Espírito Santo que ainda o caminho do santuário não estava descoberto enquanto se conservava em pé o primeiro tabernáculo, Que é uma alegoria para o tempo presente, em que se oferecem dons e sacrifícios que, quanto à consciência, não podem aperfeiçoar aquele que faz o serviço”.

Sabemos perfeitamente que Deus não habita em templos feitos pela mão do homem, aliás, estamos conscientes de que nenhum lugar na Terra, pode ser visto, especificamente, como a morada de Deus. Embora, designemos a Igreja como a casa de Deus, porém, sabemos que ela não é Sua morada de fato, mas que é uma edificação consagrada a Ele e para o Seu serviço e, da mesma forma, assim, era o Tabernáculo no passado.

E me farão um santuário, e habitarei no meio dele”.

Para que não paire dúvidas no coração das pessoas acerca da infalibilidade e inerrância da Bíblia, pois, em um lugar Deus diz que o santuário seria sua habitação e, em outro lugar, diz que não habita em templo feito por homens, a palavra “habitação”, aqui, não quer dizer que seja um lugar de endereço fixo, mas que é um lugar que, por ser consagrado, nele é assegurado a presença de Deus.

Santuário, Habitação, Tenda, Casa de Deus e Santuário terrestre são designações que se aplicam o Tabernáculo – “Assim, pois, estabeleceram para si a imagem de escultura, que fizera Mica, por todos os dias em que a casa de Deus esteve em Siló”. Quanto a simbologia do Tabernáculo como obra redentora de Cristo, podemos afirmar com convicção que ele é o lugar onde Deus se encontra com o pecador – “E ali virei a ti, e falarei contigo de cima do propiciatório, do meio dos dois querubins (que estão sobre a arca do testemunho), tudo o que eu te ordenar para os filhos de Israel”; é o lugar onde Deus se revela ao pecador – “E ali virei aos filhos de Israel, para que por minha glória sejam santificados”; é o lugar onde Deus habita (convive) com o pecador – “E habitarei no meio dos filhos de Israel, e lhes serei o seu Deus,”; é o lugar onde Deus recebe o pecador – “E porá a sua mão sobre a cabeça do holocausto, para que seja aceito a favor dele, para a sua expiação”; é o lugar onde Deus perdoa o pecador – “E fará a este novilho, como fez ao novilho da expiação; assim lhe fará, e o sacerdote por eles fará propiciação, e lhes será perdoado o pecado”; e, por fim, é o lugar onde Deus recebe a oferta do pecador – “A festa dos pães ázimos guardarás; sete dias comerás pães ázimos, como te tenho ordenado, ao tempo apontado no mês de Abibe; porque nele saíste do Egito; e ninguém apareça vazio perante mim”.

O Tabernáculo era o elo de ligação entre Deus e o homem. Era utilizado pelo povo hebreu como local de culto a Deus e era através deste que Deus se fazia presente no meio do Seu povo. Além disso, ele era, também, o símbolo do relacionamento e da intimidade do homem com Cristo.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Tipologia – Ev. José Ferraz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.