Sabedoria e humildade.

II Coríntios 10: 12-14
Porque não ousamos classificar-nos ou comparar-nos com alguns que se louvam a si mesmos; mas esses que se medem a si mesmos e se comparam consigo mesmos estão sem entendimento. Porém não nos gloriaremos fora de medida, mas conforme a reta medida que Deus nos deu, para chegarmos até vós; porque não nos estendemos além do que convém, como se não houvéssemos de chegar até vós, pois já chegamos também até vós no evangelho de Cristo”.

É duro conviver com isso, mas, é a mais pura realidade. Paulo, percebendo o desencadear dos acontecimentos, vaticinou com extrema sinceridade a respeito do futuro dos crentes – “Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências”, em palavras mais esclarecedoras, ele estava dizendo que chegaria um tempo, e estamos nele,  em que alguns crentes contratariam, por dinheiro, quem “pregasse” somente os que eles querem ouvir. A Bíblia, segundo o entendimento destes crentes, deve ser aplicada consoante aos interesses deles. Mas, eu não quero falar deste tipo de crente, mas dos (raros) pregadores que se sujeitam a esse tipo de serviço.

A obra que temos a realizar é o anunciar Jesus Cristo como Salvador do mundo. Esta obra é tão laboriosa quanto qualquer trabalho em que se exija do trabalhador esforço extenuante. Anunciar Jesus Cristo como Salvador do mundo, não se limita a sair pelas ruas “pregando” o Evangelho de Jesus, não temos nisso um esforço extenuante. O grande mistério é testemunhar da obra redentora que Jesus realizou em nós, mas não é um testemunho simplesmente verbal, ele tem que sair da oralidade e ir para a praticidade. Nessa questão, o ditado popular que diz – “Uma atitude vale mais que mil palavras”, pode ser aplicado na vida do crente. Onde isso se encaixa? Alguns podem estar se perguntando. Eu digo onde! É que tem alguns pregadores falando muito e “mostrando” pouco. Quando o pregador é humilde, ele não precisa fazer propaganda das suas qualificações, elas são imediatamente percebidas só de ele abrir a boca.

É facilmente perceptível como vai ser a mensagem de certos pregadores. Independente de quem seja, todo pregador que começa sua mensagem com aquele discurso “demagogo” que toma de 10 a 15 minutos do tempo que lhe foi cedido, pode saber que ele vai tentar incendiar a igreja no grito e naquelas atitudes de ficar incomodando o irmão do lado o tempo todo. O fundo musical tem que ser cuidadosamente controlado pelo “sonoplasta”, isso quando o fundo não feito pelos instrumentistas, que, a cada pausa do preletor, quase rompem os tímpanos das pessoas presentes. As mensagens deste tipo de pregador se resumem em: 5 minutos de Bíblia, 20 de línguas estranhas e 40 de profecias.

Hoje em dia vejo que temos muitos pregadores, muitos mesmos, mais do que precisamos e, a formação acadêmica teológica da grande maioria é insuficiente. Na verdade, o que estamos precisando para os nossos dias são professores e não são poucos. A igreja de Cristo está precisando com urgência de homens e mulheres que estejam dispostos a ensinar a verdade e não apenas contar fábulas aos ouvintes.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.