Justificados e Santificados.

I Coríntios 6: 11 – João 13: 10
E é o que alguns têm sido; mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus.” “Disse-lhe Jesus: Aquele que está lavado não necessita de lavar senão os pés, pois no mais todo está limpo. Ora vós estais limpos, mas não todos.”

Em Hebreus 10: 17 nós temos uma promessa de Deus em relação a nossa vida pregressa – “E jamais me lembrarei de seus pecados e de suas iniquidades”; e, isto é um grande alento para o pecador, visto que, se porventura, ele for condenado por algum pecado, não será levado em conta o tempo da ignorância, porque este tempo Deus simplesmente apagou da história, mas a sua condenação se dará pelos pecados não arrependidos e não confessados cometidos após ter aceitado a Jesus como seu salvador.

Quando um pecador crê e confessa Jesus como seu Salvador, ele é “lavado por inteiro”, desta forma, seus pecados são lavados, removidos e esquecidos. Todavia, à medida que o (agora) crente caminha neste mundo, é fácil contaminar-se. Por mais que nos policiemos, vigiando em todo o tempo nosso comportamento, pensamentos e atitudes, algumas vezes cometemos alguns deslizes que, por menor ou insignificante que seja, ainda assim, aborrece a Deus e ao Espírito Santo, maculando nossa imagem e nosso caráter diante de Deus. Quando isso acontece, não precisamos lavar-nos por inteiro novamente, mas apenas lavar aquela impureza. Deus prometeu que, quando confessássemos nossos pecados, Ele nos purificaria “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça”.

A salvação que Jesus nos proporciona é instantânea, num único momento somos perdoados, justificados e santificados, isso é algo que é taxativamente resolvido instantaneamente na Cruz de Cristo de uma vez por todas. Como se diz por aí – “a nossa conta foi zerada; o nosso débito com Deus está terminantemente quitado”. Os “débitos” adquiridos a partir deste ato, devem ser quitados exclusivamente pelo “devedor”. A única coisa que Jesus pode fazer, neste caso, é apelar para o Pai Celeste conceder mais uma oportunidade ao infrator.

Tanto o sacrifício da antiga aliança, assim como o sacrifício de Jesus, na nova aliança, oferece ao pecador a oportunidade de se reconciliar com Deus e, quando isso é feito de forma voluntária pelo pecador (entenda voluntária, aqui, como sendo algo que está sendo feito livre de imposição ou constrangimento), a oportunidade que se dá ao pecador não é a de apenas ter os pecados perdoados, mas, também a de reatar o relacionamento que estava rompido com Deus.

Quando pecamos e permitimos que esses  pecados permaneçam em nossa vida sem que haja uma confissão e arrependimento deles, colocamos obstáculos em nossa caminhada com Cristo; e, assim, precisamos, então, que nossos “pés” sejam lavados.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências
– Comentário Bíblico Expositivo do Novo Testamento – W. W. Wiersbe

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.